Secas bancárias

Depois de mais uma noite horrivel em que tive que me deitar novamente com o Tiago no sofá da sala até ele parar de chorar e voltar finalmente para a cama às 4 da manhã, sabendo que daía duas horas ia começar tudo de novo. Ele já passa muito mais tempo acordado de seguida e a novidade da noite foi que ele começou a mexer-se na cama. Fui dar com ele duas vezes deitado num angulo de 90 graus em relação à posição em que o tinha deixado, ou seja, atravessado na cama. Não sei como é que ele fez aquilo mas não há dúvida que é mais uma fase de desenvolvimento. Aliás, faz 6 semanas no domingo e isso costuma indicar um salto de crescimento.
Levantei-me às nove para o alimentar novamente e preparar-me para ir ao banco. Estava a chover torrencialmente. Como é possível o tempo mudar tão drasticamente de um dia para o outro? Ainda pensei em cancelar, mas tinha-me dado ao trabalho de marcar reunião coma gestora de conta, ir fazer o cartão de contribuinte do Tiago e estar devidamente acordada a horas por isso não fui capaz de adiar. Encontrei um guarda chuva e preparei-me para sair. Felizmente o tempo voltou a mudar às 10 da manhã, hora a que tinha de sair. A chuva parou e lá fui eu sequinha, com o Tiago ao colo, até ao banco.

Abrir uma conta é, aparentemente, um processo muito lento. Demorou uma hora e ainda tenho de lá voltar para a semana com a assinatura do Pedro. Dei-me eu ao trabalho de perguntar o que era preciso antes de ir e afinal tenho de voltar na mesma. Mas pronto. O Tiago já tem uma conta bancária e agora quando receber prendas em dinheiro vai tudo directamente para a sua conta.

Quando cheguei a casa tranferi algum dinheiro para lá (que tinha sido oferecido pelas pessoas que trabalham no posto dos meus sogros) e depois de entregar as assinaturas posso começar a fazer depósitos regulares nas contas (porque hoje em dia são sempre duas – à ordem e poupança) até ele ter 18 anos. É uma espécie de trust fund para quem não tem muito dinheiro.

Ainda falei no assunto de renegociar o spread do nosso crédito habitação mas os bancos são altamente sacanas. Como em tudo o resto, criaram uma taxa para alteração de contrato por negociação do spread, e o valor é tão alto que só ao fim de um ano é que passava efectivamente a pagar menos. É ridiculo. Tenho mesmo de ir um dia destes a outro banco saber se ganho alguma coisa em transferir o empréstimo.

O Tiago entretanto resolveu desatar a chorar a meio de todo este processo no banco, mas felizmente consegui calá-lo ao fim de uns minutos. Mas até o compreendo. Se eu achei aquilo uma seca, para ele também não deve ter sido muito divertido estar enfiado no marsupio durante hora e meia.

É claro que quando cheguei a casa estava exausta e ainda não tinha comido nada. Mudei a fralda ao Tiago e estive a dançar com ele ao colo até adormecer e fui finalmente comer. Ele acordou umas horas mais tarde com a trovoada. Foi a sua primeira trovoada. Assustou-se com o barulho, inicialmente, mas depois de lhe pegar não reagiu mais e entretanto a chuva parou. Aliás, este foi um dia altamente indeciso, constantemente a mudar entre sol e chuva torrencial. De qualquer forma deixei-o estar ao colo um bom bocado até adormecer outra vez. Está a ficar um menino muito mimado e quem se vai lixar depois sou eu, mas ele está a crescer tão depressa que também tenho de aproveitar tê-lo ao colo enquanto ele tem tamanho para isso. E é irresistivel ficar a olhar para ele quando está a dormir calmamente. O Pedro sabe isso perfeitamente porque quando nos bocados em que decide ser ele a ficar com o Tiago durante a noite acaba por ficar horas até se ir deitar. Eu farto-me de insistir que durante a noite não pode ser, mas até compreendo porque de dia ele não está cá. É claro que depois paga no dia seguinte quando mal se aguenta em pé.

Ainda tentei deitar-me no sofá por volta das três e meia mas não consigo adormecer de forma alguma durante o dia. Por esta altura já devia conseguir dormir de pé e não andar a ter ‘insónias’ diurnas. Oh well.

Deixe uma resposta