Fim de semana cansativo

Tive um fim de semana bastante cansativo. No sábado saímos com o Tiago, como de costume, para ele apanhar um bocado de ar puro. Desta vez fomos com ele até à Costa, ver o mar. Ele dormiu o tempo todo, claro.

Quando fico muito tempo sem ir à praia é sempre um choque aperceber-me novamente da vastidão do oceano. Já devia estra habituada, considerando que vivi aqui toda a minha vida, mas continua a haver qualquer coisa de fascinante no reencontro com o mar ao fim de uns meses de distância.

Quando voltámos para casa tivemos visita da Carla e o Tiago chuchou no polegar pela primeira vez.

No domingo não conseguimos fazer nada porque fomos invadidos por onda atrás de onda de visitas que durou das 4 da tarde, altura em que ainda estavamos a arrumar as compras do supermercado, até às 10 da noite. O Pedro tinha planeado cozinhar um pacote de carne piacada que deixámos a descongelar no sábado e nem deu para isso, o que quer dizer que fiquei sem comida para a semana. Lá vou andar a junk food mais uns dias. Nunca me passou pela cabeça que a maior dificuldade de ter uma criança era a quantidade de visitas. Foram 9 pessoas em 4 horários diferentes – saia um grupo e chegava outro logo a seguir. Com isso tudo às 10 da noite ainda não tinha lanchado e o Pedro nem se lembrava quando é que tinha sido a última vez que foi à casa de banho. Temos de começar a fazer um horário mais rigido, como nos hospitais, ou não conseguimos fazer mais nada ao fim de semana.

A única coisa boa com isso é o que o Tiago foi tão sobre-estimulado durante o dia que ficou acordado até à meia noite e depois dormiu até às 4 da manhã. Considerando que na noite anterior só tinha dormido 3 horas no total, não foi nada mau.

É claro que eu esperava poder descansar mais um bocadinho de manhã mas não deu. A minha mãe ligou logo às 9 da manhã, o que me fez imediatamente pensar em cortar-lhe a garganta por ter acordado o Tiago que tinha acabado de voltar a adormecer. Mas pouco tempo depois começaram os vizinhos de cima a furar paredes. Ligaram o berbequim umas 4 ou cinco vezes, o suficiente para me fazer desistir de tentar dormir, e depois pararam outra vez. Estou calmamente a planear a minha vingança.

Levantei-me e liguei à minha mãe, porque depois da raiva inicial fiquei com a sensação que ela só telefonava a essa hora se tivesse acontecido alguma coisa. E de facto tinha razão. A garagem deles foi assaltada durante a noite e roubaram o capacete e o fato de mota do meu pai, o rádio do carro e mais umas coisas. Tudo porque a garagem é suposto ser super croma e ter camaras de vigilancia e tudo mas nada disso funciona e a porta principal está sempre avariada. Considerando o que os gajos cobram de renda pelas garagens é inadmissivel.

A minha mãe passou pela garagem para ver os estragos e aproveitou para espreitar a nossa que parecia estar bem fechada. Depois passou cá por casa para ver o Tiago antes de ir trabalhar.

Às 3 da tarde fui ao correio buscar o primeiro pacote de livros que comprei na Amazon e que inclui o Where’s my cow. Acho que podia ser mais giro porque não gostei muito das ilustrações. O bebé, em particular, é bastante horrivel. Parece o Gollum. É o problema de comprar um livro sem poder folhear primeiro. Mas depois se vê se o Tiago acha alguma piada àquilo.

Continuamos a ver o 24, com um Jack Bauer desmotivado. *Spoiler alert* A única cena que valeu a pena foi quando ele mata um gajo à dentada. *End spoiler alert*
De resto dá a sensação que ainda não começou e isto é só a preparação para a história e já vou para aí no episódio 12 ou semelhante.

Também comecei a rever o The O.C. durante a noite, quando tenho de ir para a sala com o Tiago. Sei que é uma daquelas séries que qualquer pessoa que queira ser levada a sério não pode admitir que gosta porque é uma verdadeira telenovela, mas não quero saber. Dá-me um gozo imenso ver aquilo e adoro os diálogos e o humor. O resto é irrelevante e como é levezinho e nunca chega a ser verdadeiramente dramático é excelente para ver às 4 da manhã quando estou a morrer de sono e não tenho atenção para mais. Gilmore Girls é outra série com as mesmas caracteristicas de que também gosto imenso. Basicamente tenho uma atracção pelas séries que se podem considerar descendentes da Jane Austen – conteudo romantico, passadas numa comunidade idealizada em que há acontecimentos dramáticos mas no fundo acaba tudo bem. Acho que para tragédias às vezes basta a nossa vida. E ando particularmente virada para temáticas mais levezinhas, nas séries, filmes e livros desde que o Tiago nasceu. Ando demasiado cansada para arriscar ficar deprimida por causa de ficção.

3 Comment

  1. Experimenta ver Gilmore Girls, acho que vais gostar. Como nunca li uma referência tua a essa série não sei se já a conheces ou não.

  2. Não te deste ao trabalho de ler o post até ao fim antes de disparar este comentário, pois não?

  3. Oops, My Bad. Como tava no work não pude ler com atenção e por isso li quase na vertical. Ainda bem que gostas da série, comprei as 4 seasons iniciais e tou a gostar bastante. A Laurie Graham é a maior.

Deixe uma resposta