complicado dia de trabalho

Ontem o Tiago esteve acordado quase a tarde toda e esta noite dormiu da meia noite às 5 da manhã, o que foi excelente. Ultimamente parece que é noite sim noite não o que já não é mau.

Hoje esteve novamente acordado do meio dia às quatro da tarde mas depois adormeceu e começa a fazer birra quando o tento acordar, pelo que não há garantias quanto a esta noite. Fui mete-lo na cama porque geralmente isso costuma acordá-lo (eu sei, parece uma contradição, mas ele detesta ficar sozinho e em silencio) e acabou por funcionar.
Para complicar as coisas tive que tratar da facturação exactamente à hora em que ele estava acordado porque queria ter tudo pronto para meter no correio antes do banco fechar para só ter de sair uma vez. É claro que o Tiago queria atenção e foi complicado conseguir acabar tudo a horas. Trabalhar em casa pode parecer uma solução ideal para quenm tem crianças mas duvido que se consiga trabalhar muito. Para além de ser cansativo também fico com bastantes sentimentos de culpa por não lhe estar a dedicar a atenção que devia quando ele precisa. Mas pelo menos não o enfiei em frente à televisão para o calar 🙂

Andamos a ver o documentário ‘A child of our time’ da BBC que temos acompanhado ao longo dos anos e que nos dá que pensar em termos das asneiras que podemos fazer como pais e da influencia que isso pode ter no desenvolvimento das crianças. Um dos episódios que vimos recentemente era exactamente sobre o nivel de actividade e o número de horas que as crianças passam a ver televisão e a jogar jogos de computador. É interessante como tem resultados negativos, como toda a gente sabe, mas também tem pontos positivos, como aumento de um determinado tipo de inteligencia e atenção.

Aquilo que me preocupa é que nós somos um péssimo exemplo. Eu passo a vida a ver televisão (enquanto faço outras coisas, mas mesmo assim) e o Pedro passa o tempo ao computador. Este miúdo não vai ter hipotese. Como ainda por cima vivemos num apartamento, sem jardim nem sequer um terraço, vamos ter de fazer um esforço extra para incentivar o Tiago a fazer exercício. Se os gajos se despachassem com o metro podia pelo menos levá-lo ao parque uma horinha por dia, mas tenho a impressão que já não vem a tempo.

Deixar uma resposta