Consulta dos dois meses

Hoje de manhã fomos ao pediatra para a consulta dos dois meses do Tiago. Como já tinhamos constatado quando ele foi ao centro de saúde fazer as vacinas, ele está a aumentar um quilo por mês, estando agora com 4.850 e tem quase mais dez centimetros do que quando nasceu, com 57,5 cm. A única seca foi a longa espera causada supostamente por urgencias. Realmente achei estranho o facto de haver diversas crianças mais crescidas na sala de espera uma vez que as terças feiras costumam ser só para os bebés.

De tarde o Pedro ficou com o Tiago e eu fui ao cabeleireiro. Eu sempre pintei o cabelo e desde o final de 2004 que não mudava de cor porque nunca quis correr o risco de prejudicar os bebés com os produtos quimicos das tintas para cabelo durante as gravidezes. E no intervalo, depois de perder o Alex, também não estava com grande vontade de pensar nessas coisas. Mas agora que estou em casa com o Tiago há dois meses, a rotina começa a encaixar e já não tenho nenhuma razão obvia para o evitar, resolvi voltar a pintar o cabelo. A minha cor de eleição sempre foi o laranja mas desta vez evitei os produtos de supermercado que nunca funcionam como eu quero e fui a uma loja que vende ao publico produtos para cabeleireiros. Escolhi a cor, comprei o oxidante a 40 volumes e fui para casa experimentar. Infelizmente, e apesar de não pintar o cabelo com tinta definitiva há mais de dois anos, parece que a tinta temporária que tinha usado na passagem de ano só por piada, para o fato de Morticia Addams, teria alguma dose de amoniaco porque se ficou a notar perfeitamente onde o cabelo tinha sido pintado. Nas rfaizes, que já estavam bastante longas, ficou exactamente a cor que eu queria mas o resto ficou manchado e na parte de trás, no comprimento maior, ficou mesmo muito escuro. Como esta experiencia tinha sido exactamente para evitar fazer uma descoloração porque isso me estraga completamente o cabelo, optei por uma solução intermédia e fui ao cabeleireiro fazer madeixas.

Foi só a segunda vez na vida que fiz madeixas. A primeira vez foi há uns anos, com a touca e foi doloroso o suficiente para desencorajar tentativas futuras. Desta vez pedi especificamente para ser com pratas porque não me apeteceu passar por aquilo outra vez. Fui enfiada pela primeira vez na vida naqueles secadores tipo capacete. O pior foi quando as pratas começaram a aquecer e a queimar-me as orelhas. Not nice.

Também foi a primeira vez que arranjei as unhas no cabeleireiro. A parte mais hilariante foi quando a manicura começa a contar como tinha de ir buscar os óculos que deixara a fazer depois de descobrir que tinha um astigmatismo brutal que na prática lhe retirava 50% da visão normal. Deixou-me muito desconfiada em relação ao resultado final, e de facto tive de limar algumas unhas quando cheguei a casa porque não estavam bem.

De qualquer forma, as madeixas ficaram muito giras e disfarçam bastante as restantes diferenças de cor o que é optimo porque não tenho que descolorar o resto nem cortar tudo. E o melhor de tudo é que agora olho para o espelho e sinto-me mais eu.

Deixe uma resposta