Vizinhos, cãezinhos e canos

Como já tinha dito há uns posts atrás, o Tiago começou a dormir a noite inteira. É um sentimento maravilhoso poder voltar a dormir 5 ou 6 horas de seguida, apesar de continuar a não ser as 8 que precisava.

É claro que não é sempre e quinta e sexta à noite voltou a acordar às 3 da manhã e às 9 acordou de vez e já não consegui dormir mais. Esta noite dormiu novamente de seguida até às 6. Mas como precisava de recuperar das duas noites anteriores tinha esperança de conseguir descansar mais um bocadinho de manhã. Yeah, right.

Às 9 e pouco levantam-se os vizinhos de cima e desatam aos gritos. Os gajos só sabem discutir. Não compreendo para que é que vivem juntos se não se entendem. Por momentos tive flashbacks de viver com os meus pais que também arranjavam sempre qualquer coisa para discutir, especialmente ao fim de semana. Alguns dias fechava-me no meu quarto e desejava que se divorciassem só para a gritaria parar. Mas eventualmente o meu pai saia porta fora ou fazia birra e calava-se e a coisa ficava por aí. Pelo contrário, os vizinhos do lado da casa onde morávamos quando eu era criança eram mais do estilo de fazer de conta que estava tudo bem até o tipo chegar a casa com uns copos a mais e desancar na mulher. Até ao dia em que ela se vingou. Depois mudámos de casa por isso não se se chegaram a magtar-se.

Estes não desistem, não páram e também não se matam apesar de ouvir a tipa gritar ai-ai ocasionalmente (e apesar de eu ser bastante contra a violencia doméstica, há alturas em que até me oferecia para lhe dar uma tareia se o gajo quisesse, da maneira irritante como ela vai subindo o volume. Ele praticamente não se ouve). E o pior é que vão mudando de quarto em quarto, aumentando o volume. Acho que ela grita enquanto vai arrumando a casa. Se calhar o tipo deixou umas meias no chão do quarto e é o suficiente. Este tipo de discussões parvas costumam ter motivos igualmente parvos.

Era impossivel dormir por isso desisti.

Isto leva-me à passada quinta feira que foi um dia bastante caótico. Estava a tomar o pequeno almoço quando o Pedro me chama à cozinha. Estava a escorrer água pela saída do exaustor. Não era uma coisa constante. Parecia ser quando os vizinhos de cima abriam a torneira. Fui bater-lhes à porta para tentar perceber se estavam em obras, por exemplo, ou que se tivesse passado algo que resultasse num cano furado. Não. Estavam simplesmente a lavar a loiça do pequeno almoço. Verifiquei que não havia água na casa deles, agradeci e vinha-me ebora quando o vizinho se ofereceu para vir ver o problema, já que trabalha em construção civil. Andou para ali a mexer e descobriu que a ruptura era junto à saída de ar do esquentador. Agradecemos a informação e chamámos um canalizador. Pouco tempo depois os vizinhos já estavam aos gritos. Terá sido por nossa causa? Ela pode ter ficado furiosa por não poder usar a água da cozinha.
Anyways, o canalizador foi porreiro e resolveu-nos o problema no proprio dia, que ainda por cima era feriado. Basicamente quando tivemos de fazer obras quando nos mudámos, os tipod do gás fizeram asneira e meteram um redutor metálico da saída do tubo do esquentador, de onde sai constantemente ar bem quente, directamente para o tubo da chaminé, que é de plástico e que ao longo destes quatro anos tem vindo a derreter. Como a construção do prédion é fabulosamente má, os canos do esgoto das cozinhas passam mesmo ao lado da chaminé e quando o ar quente acabou de derreteu um tubo começou a derreter o do lado que desatou a pingar água. Fomos informados que o problema se deve também ao facto de o esgoto estar entupido, o que faz com que a água suba e saia por ali. De poutra forma, mesmo com uma pequena ruptura, não fqazia muito sentido ter água do esgoto a sair no oitavo andar. Ainda tenho que ligar para os administradores do prédio a pedir para chamarem alguém para desentupir os canos.

O canalizador soldou o cano, cortou um bocado da chaminé que substituiu por um T metálico que já deve aguentar melhor o calor e pronto. Agora temos um buraco enorme na parede e temos que arranjar alguém que venha tapar isto um dia destes, quando tivermos a certeza que não sai mais água por ali.
A outra coisa que me tem andado a irritar é o cão do prédio ao lado. Não o cão em si, que apesar de tudo só ladra ocasionalmente, mas o facto dos donos o manterem fechado numa varanda os dias inteiros, sem sequer uma tijela com água. Uma noite destas, às 11 da noite ainda lá estava. E isto é dias de semana, fins de semana e tudo. Não haverá maneira de tornar estas coisas ilegais? Se estivessemos em Inglaterra era só fazer um telefonema, mas cá pode-se tratar os bichos como se quiser que ninguém liga. Deixa-me furiosa. Para que é que querem um cão, num apartamento, se não passam tempo com ele nem o deixam sequer entrar em casa? Qual é a lógica?

Peço por favor, em luz doque acabei de escrever, que não desatem a fazer o óbvio que é começar a cuspir comentários com histórias sobre cães maltratados, como é costume nestes casos. Já ando deprimida o suficiente, obrigada.

É como quando digo a alguém que gosto de gatos e essa pessoa desata a contar histórias de todos os gatos que conheceu e como é que morreram. Há pessoas muito sádicas.

2 Comment

  1. Acho que se pode chamar as autoridades para pelo menos darem uma palavrinha aos donos do cão. Foi o que fiz há tempos atrás numa situação idêntica.Fica bem.

  2. Concordo positivamente com o que disseste, se não querem o animal, não o tenham…gostava que esta gente fosse presa ou pelo menos screened para poder ter animais…que nojo que estas criaturas que deviam dar provas que são capazes de ter animais me metem

    **

Deixe uma resposta