Domingo infernal

No sábado fomos almoçar a casa dos meus sogros para festejar o aniversário da minha cunhada Marta. Voltámos às 5 da tarde com um Tiago muito cansado de toda a atenção e com muito pouca vontade de fazer tarefas domésticas, até porque tinha de aproveitar para trabalhar um bocadinho. O que deixou apenas o domingo para fazer compras, limpar a casa, lavar roupa e cozinhar. Chegámos à noite completamente exaustos.

Começámos logo mal. Apesar de conseguirmos sair de casa relativamente cedo, depressa chegámos à conclusão que a nova cadeirinha do Tiago para o carro não estava bem montada o que a tornava pouco segura. O cinto estava torcido e nós demos montes de voltas àquilo sem conseguir perceber se dava para corrigir a situação. Montámos o ovinho e esperámos pelos meus sogros que tinham o recibo antes de ir finalmente às compras.

Com tudo isto já passava das 11 da manhã e ainda não tinhamos comido. Nem nós nem o Tiago que, como tinha acordado duas vezes durante a noite para comer, de manhã não queria.

Chegámos ao Fórum e o Pedro foi ao supermercado comprar os legumes para as sopas do Tiago da semana enquanto eu fui ao fraldário ver se ele já tinha fome. Lá mamou qualquer coisa e depois fomos ter com o Pedro para acabar as compras. Ir ao supermercado no principio de Dezembro ao fim de semana pode parecer suicídio, mas de manhã não chega a ser muito mau.

Fomos finalmente comer e depois tratar da questão da cadeira. Afinal o sítio para destorcer o cinto era por baixo, algo que mesmo assim deu algumas dores de cabeça ao tipo da loja até dar com aquilo. Mas pronto. Problema resolvido. É que os manuais de instruções hoje em dia são tão maus, sem texto nenhum e com montes de ilustrações de como NÂO se deve fazer em vez de se darem ao trabalho de explicar os detalhes de como se faz que é mais fácil levar as coisas à loja para eles resolverem do que perder dias a tentar perceber aquilo.

Ainda comprámos um prato e mais colheres para o Tiago e queriamos comprar também o tabuleiro para a cadeira dele mas não tinham.

O que me leva ao nosso novo problema: desde sexta feira que o Tiago deixou de querer comer. Ou melhor, tal como percebemos depois, deixou de querer ser alimentado por outras criaturas.

Eu estava preparada para o Tiago começar a treinar alimentar-se a si próprio a partir dos 9 meses, Mas nunca pensei que ele fosse recusar-se a comer. Achava que seria uma coisa mais tipo, dar-lhe um prato com comida para ele chafurdar e quando ele tivesse sujado tudo dar-lhe a comida normal, até ele aprender a comer sozinho. Mas como tudo o resto, isso seria demasiado fácil.

Em vez disso ele franze o nariz e abana a cabeça cada vez que lhe ponho a colher à frente da cara e se insisto muito chora e não se cala até sair da cadeira.

Ou seja, desde sexta feira que não come nada de jeito e só tem vindo a piorar.

Durante o fim de semana, com a ajuda do Pedro, lá fomos conseguindo dar-lhe bocadinhos de peixe desfeitos à mão e uma colher de sopa de vez em quando, uma fatia de maçã para ele roer, etc. Mesmo assim, depois de meia hora de esforço ao jantar, quando ele já tinha comido meio boião de sopa, vomitou tudo. Isto é o seu outro método de protesto. Quando não quer comer mais vomita tudo.

Hoje que fui só eu ficou-se por 3 colheres de sopa, 2 de fruta e uns bocadinhos minusculos de perú moído, com muitos engasgos à mistura. Depois comeu uma bolacha e uma codea de pão sozinho (engasgando-se novamente porq morde bocados demasiado grandes), mas como é obvio isto não chega.

Toda a gente me diz que não posso forçar porque só faz pior e a última coisa que quero é ser responsável por um trauma alimentar do meu filho, mas não consigo deixar de me preocupar com o facto de não o conseguir alimentar decentemente.

Estou a tentar manter a calma, pegar-lhe ao colo quando chora, falar docemente e tentar outra vez quando se acalma, mas isto está a ser muito complicado e ele não pode alimentar-se a bolachas e codeas de pão.

Voltando ao domingo, depois das compras viemos limpar a casa, algo que durou até à hora de jantar, sempre com uma dor de cabeça brutal. Estamos os dois desesperados para que chegue o robot aspirador porque com 6 gatos o chão fica um nojo num instante e eu não dou conta disto durante a semana.

O Pedro passou a tarde a lavar a cozinha e a fazer comida para o Tiago (estamos finalmente a usar o robot de cozinha para cozinhar em vez de ser só para aquecer sopa) e ainda esteve a aspirar e eu estive de volta das tarefas do costume como lavar roupa, limpar o pó, lavar a casa de banho e o chão, e tratar do Tiago entre sestas entre outros.

A única coisa boa foi que, como começámos a comer ao mesmo tempo que o Tiago em vez de esperar que ele vá para a cama, às onze da noite fui-me deitar em vez de ainda estar a pensar no que iria jantar.

Depois de dias destes apetece-me bater nas pessoas que, quando digo que estou em casa durante o fim de semana fazem comentários como ‘pois, aproveitam para descansar.’ Quem me dera saber o quer quer dizer descansar. Mas suponho que é o que a maioria das pessoas pensam quando sabem que eu estou em casa – não faço mais nada a não ser descansar.

3 Comment

  1. olá aos 3 🙂
    no domingo o meu sebastião fez 1 mês o que, tirando o 1º dia e a 1ª semana, é a 1ª data “comemorável para quem gosta de efemérides. eu comemoro todos os dias e na verdade mal me lembro de “a quantas ando”, quando preciso dizer a idade dele tenho que perguntar a data e fazer rapidamente as contas.. bom, mas para o pai do sebastião, que está a trabalhar fora de casa durante o dia e mantém por isso 1a ligação mais forte com o calendário, esta era 1a data importante. e quis fazer 1a festinha com os avós. e eu não quis, bem ou mal, pq achei q a festa seria para os adultos e para o sebastião apenas um stress e uma confusão no dia a que começa a habituar-se. quando as visitas são menos organizadas ele “vingado” à noite, completamente stressado. Aborrece-me e não me parece que se justifique. Mas vai ser um dilema durante uns meses e anos (para sempre..), o equilibrio entre o que sabe bem aos avós e o que é aconselhável para o meu filho. Nesta altura estou absolutamente mãe leoa, e, em consequência, tenho que aturar os amuos dos mais velhos.. Enfim
    Como gerem isto vocês?
    1 beijinho e divirtam-se os 3
    rita

  2. Na verdade não gerimos grande coisa porque ninguém liga nenhuma ao que dizemos. Para além disso, ele vai ter de se habituar à familia que tem por isso é uma questão de ir dando confusão em pequenas doses. Mas nos primeiros meses era muito mais protectora do que agora por isso compreendo.

    O ideal continua a ser visitas de duas ou três pessoas de cada vez porque muita gente assusta-o. E peço sempre para as pessoas lhe darem algum tempo para se habituar à nova situação mas nunca me ligam nenhuma. Quando vamos a casa de alguém ainda não passámos da porta e já está toda a gente a tentar pegar-lhe e a dar-lhe brinquedos para a mão o que desencadeia o inevitável choro.

    Mas quando ele chora eu pego-lhe novamente e ele acalma-se até se poder tentar outra vez. O choro acaba por ser a defesa dele e como ninguém quer ter ao colo o miúdo aos berros, resulta lindamente. Para ele não é nenhum trauma inultrapassável e acalma logo os animos dos mais agressivos 🙂

  3. Vida de gajos Pais não é fácil!!! Sei bem do que falas!!!

    Quanto à comida, a Pulga passou por isso!! Deixei andar por uns tempos, apesar de ficar em stress com o facto de ela não comer, mas o certo é que passou, e hoje come lindamente na maior parte das vezes.

Deixar uma resposta