Está quase

Depois da confusão de quinta feira, na sexta de manhã esperei pelo canalizador à espera de confronto. Às dez e meia ainda não tinha chegado por isso voltei a ligar para a empresa. Cada vez que ligo para lá atende uma pessoa diferente o que também não inspira muita confiança. Disseram que o homem chegava daí a meia hora.

Chegou já um bocado depois das onze e estava obviamente furioso. Entrou logo a dizer que a casa de banho ficava pronta nesse dia se ficasse a trabalhar até às 10 da noite.

Eu cortei logo a dizer que não queria que ficasse pronto nesse dia, queria é que ficasse bem feito e que o problema não era a casa de banho mas sim a cozinha já que a saída dos fumos do esquentador não estava bem ligada e não podia ficar assim. Tentei explicar que os dois tubos – do fogão e do esquentador – não podiam estar ligados no mesmo sitio porque o exaustor fazia o fumo do esquentador voltar para baixo e outros pormenores técnicos do estilo que me forma explicados quando aquilo foi montado pela primeira vez de acordo com a legislação para estas coisas. A resposta que levei foi ‘A senhora é engenheira?’. Típico. Quase que apetece responder que sim para calar o gajo.

O tipo lá foi ver aquilo e passado um bocado de bater com coisas e atirar sei lá o quê ao chão com grande estrondo disse que precisava de comprar um novo tubo de aluminio porque tinha cortado o que estava lá originalmente. E eu a pagar pela asneirada dele.

Antes de sair foi por cimento para assentar a banheira e desapareceu. Quando voltou lá esteve a montar a tubagem da cozinha até ficar feita e parece que acabou por se acalmar. Bom, na verdade acho que só começou a acalmar quando me chamou uma vez e foi lá o Pedro. A partir daí de repente já avisava antes de sair e dava-se ao trabalho de explicar o que raio estava a fazer.

Saiu à uma e voltou às 3 e meia. Ia sair novamente sem dizer nada mas mudou de ideias e tocou à campainha para deixar o número de telefone. Deve ter levado nas orelhas por eu ter ligado ontem para a empresa.

Passou a tarde fechado na casa de banho a repor os azulejos que ficaram inclinados porque comprou uma banheira mais estreita do que a que estava lá antes e saiu às 7. Sempre se fartou de trabalhar mas já não tenho confiança nenhuma.

É claro que assinei permanentemente o atestado de estupidez quando olhei para o que ele fez na cozinha e num ataque de ansiedade momentaneo perguntei se o tubo do esquentador era de borracha porque não tinha o aspecto normal dos tubos de alumínio e parecia mais um dos tubos de saida de água das máquinas de lavar. Para o canalizador é apenas mais uma prova da minha ignorancia mas para mim foi mais ter a certeza que ele não tinha feito mais uma coisa completamente absurda, tal é a confiança que tenho neste momento.

Com isto afinal já se tinha esquecido de que ia ficar tudo feito nesse dia e que ia ficar a trabalhar até às dez e foi-se embora. Disse que voltava ontem por volta das onze poque começava a trabalhar às 6 mas tinha outro cliente primeiro e afinal apareceu antes das 9, estava eu ainda a dormir porque o Tiago tinha finalmente passado uma noite calma. Acho que foi vingança.

Esteve a trabalhar até às 11 e foi embora de vez. Ainda falou em voltar hoje mas eu disse-lhe logo que achava melhor deixar aquilo tudo a secar convenientemente. Pelo menos a banheira está no sítio e com as ligações feitas e só falta colocar os azulejos na zona da torneira e voltar a por a torneira no sítio, que é o que ele vinha cá fazer na quarta feira passada.

O buraco na parede da cozinha vai ficar mais uns tempos porque agora quero ter a certeza que está tudo bem, depois dele ter andado a mexer, antes de fechar de vez. E brevemente temos ainda que mudar o esquentador que está velho e a pingar água.

1 Comment

  1. Bem, esses tipos são umas bestas, não há mesmo outro nome! O pior de tudo é que continuamos a depender deles de alguma forma…
    Espero que, pelo menos, desta vez fiques satisfeita com o produto final.

Deixar uma resposta