Fim de semana atribulado

Tudo começou na sexta à noite, com os vizinhos de cima a fazer mais uma festa que terminou com gritaria às 4 da manhã. Ninguém dormiu, como é obvio.

Por isso mesmo, no sábado de manhã o Tiago dormiu até às 10.30h e nós às onze ainda andávamos pela casa de pijama com um ar de quem não sabe bem onde está quando telefona a Fátima a dizer que afinal sempre podia ir ao parque essa manhã mas só estava lá mais 45 minutos. Fizemos os possíveis por nos despachar e acho mesmo que batemos o nosso record. Mesmo assim só conseguimos chegar à hora em que eles se deviam estar a ir embora. Felizmente foram muito simpáticos e aguentaram mais um bocadinho. A conversa foi curta mas o Tiago ficou assim a conhecer mais um menino quase da sua idade de quem parece ter gostado porque fartou-se de sorrir. Por mim gostei de rever a Fátima que foi uma das poucas pessoas do secundário de quem eu gostava, e espero que um dia destes dê para nos encontrarmos com mais tempo.

Eles tiveram que ir embora e nós ficámos um bocado na relva onde o Tiago esteve a praticar os seus passinhos, agarrado à minha mão e a observar os patinhos.

Voltámos para casa, demos o almoço ao Tiago que depois foi dormir. Nós estávamos muito cansados e sem energia nenhuma por isso encomendámos uma pizza e estivemos no sofá a ver o princípio do I heart Huckabees que eu nunca tinha visto. É um filme estranho mas tem alguma piada.

Quando o Tiago acordou foi passear com os meus sogros para nós podermos fazer o IRS – nada como umas horinhas livres completamente lixadas pela obrigação de sermos sugados pelo estado. O Tiago voltou antes de conseguirmos acabar e ainda foi preciso estar com ele ao colo a fazer o resto, com papeis por todo o lado num escritório tão apertado e cheio de tralha que neste momento sinto que a única salvação seria pegar fogo a tudo e começar de novo.

Depois de muito investigar e agoniar, resolvi que aminha única hipotese é mesmo voltar ao design, tentando fazer as outras coisas – tradução, artesanato… – como um extra até, talvez um dia, ter hipótese de transformar essas coisas numa profissão legitima que pague as contas. O que quer dizer que vou precisar de voltar a trabalhar no PC e isso implica voltar a criar um ambiente de trabalho decente, onde eu não tenha de estar toda torta para conseguir chegar ao teclado.

No sábado à noite, para grande sofrimento nosso, os vizinhos tinham novamente música alta a tocar e só se ouvia a mulher aos gritos. Quando fui para a cama à meia noite achei que era demais e fui finalmente ligar para a polícia. Por azar, ou graças ao nosso familiar deus dos pequenos incómodos, parece que liguei mesmo à hora da mudança de turno e por isso os polícias só apareceram quase uma hora depois, já a vizinha tinha acalmado um bocado e estava a preparar-se para ir para a cama. Eu expliquei a situação e os policias foram lá acima avisar a senhora que tinha de fazer menos barulho apesar de não terem ouvido nenhum, mas ela, claro, não percebe a que barulho é que se estavam a referir. Enfim. Devia ter chamado a polícia na noite anterior assim que a festarola começou.

Pelo menos a senhora foi avisada que se lhe forem bater à porta outra vez por causa de barulho arrisca-se a pagar uma multa de 500 euros por isso espero que sirva de alguma coisa.  Pelo menos não bateu tanto com as portas o resto da noite nem voltou a berrar.

No domingo não nos apetecia fazer nada e o tempo não estava grande coisa para ir passear. Ficámos por casa. Eu tinha uma encomenda por acabar e até deu jeito.

De tarde os meus pais vieram cá a casa seguidos da Carla e da Elsa. O Tiago esteve assim muito entretido com as visitas até à hora de jantar.

A noite passada foi outra vez horrível, com o Tiago a acordar aos gritos às 4 da manhã. Ele parecia tão aflito que eu fui logo ao quarto dele ver se o conseguia acalmar. Estive com ele ao colo imenso tempo e ele estava calmo mas acordado e quando tentei deitá-lo novamente recomeçou a chorar. Ao fimd e duas ou três vezes desisti e passado um bocado foi a vez do Pedro. Acabámos por ter de o deixar protestar tudo até adormecer enquanto esperávamos, sentados na nossa cama, de luz acesa, cheios de fome mas sem coragem de sair do quarto porque quando o Tiago ouve movimento ainda grita mais.

Hoje foi então outro daqueles dias em que passei o tempo a querer voltar para a cama. Mas como também é fim de mês tenho trabalho administrativo a fazer e se não começo logo nunca mais fica feito. Tratei de uma série de coisas chatas mas necessárias mas não consegui começar seguer a organizar a contabilidade do trimestre porque só posso contar com as sestas do Tiago e isso não dá para nada.

Por outro lado, a questão do desmame que me estava a preocupar resolveu-se sozinha. Na sexta feira o Tiago em vez de começar a mamar mordeu-me. Como me queixei ele começou a chorar e desde então nunca mais quiz mamar. Voltei a tentar nas duas noites seguidas e nada. Dou assim o assunto por resolvido. Pelo menos não fico com muitos sentimentos de culpa. Se ele não quer não obrigo.

É claro que  isto dele acordar a meio da noite pode ser uma consequencia da adaptação ao desmame, mas espero que seja só uma fase e que passe depressa.

1 Comment

  1. Hello!

    Com a minha filha os pesadelos (acho) começaram nessa idade! Foram várias noites de gritos sem razão aparente (não quero assustar)! Mas tb conforme veio…….foi!!!

    Haja paciencia!!

Deixe uma resposta