Quase com 14 meses

Já há algum tempo que não faço um apanhado da evolução do Tiago. Isto deve-se talvez ao facto de estar à espera que ele ande e nunca mais. Vai dando uns passinhos mas nem parece esforçar-se muito e os meses vão passando. Não é por medo de cair porque ele próprio adora atirar-se para o chão e tem as nódoas negras para o provar – não sei como é que ele não se queixa quando se deixa de cair de joelhos e aterra com as canelas num qualquer brinquedo. Eu fartava-me de gritar. Ele não anda mais porque não sente necessidade e porque dá muito trabalho. Nota-se que precisa de se concentrar muito para manter o equilibrio e tem de dar passos pequeninos e ele não tem paciencia para isso. Prefere atirar-se ao chão e gatinhar até onde quer ir já que chega muito mais depressa. Isso torna-se obvio quando o ponho em pé e lhe agarro nos braços para dar um pouco de apoio. Assim que ele se sente equilibrado não tenta andar – começa logo a correr. É um miúdo muito ocupado e não tem tempo para coisas chatas como andar devagarinho.

Quanto à fala já começou a repetir mais alguns sons mas só quando lhe apetece e por mais que puxemos por ele geralmente recusa-se a demonstrar o que já consegue dizer, apesar de ser óbvio que compreende cada vez mais palavras.

Acho importante dizer que nada disto me preocupa minimamente. Não penso que seja um problema. É apenas frustrante porque passo os dias inteiros com ele e às vezes gostava que ele falasse de volta.

De resto, já empilha copos e cubos muito bem apesar de continuar a preferir destruir as torres a construí-las. Tentei começar aquele tipo de actividades que eles fazem nos infantários comas digitintas e coisas do estilo mas não correu muito bem. Acho que o problema foi que o único sítio que tenho para ele fazer estas coisas é na cadeira onde ele come e isso confundiu-o. Achou que ia comer e ficou muito furstrado apesar de estar curioso para mexer naquelas pastas. Acabei com um miúdo aos gritos e meia hora de limpeza para um resultado nulo.

A única vez que correu bem foi a primeira tentativa, quando o deixei brincar com espuma de barbear. Só que mais tarde ou mais cedo lá vai a mão à boca por isso tem de ser uma brincadeira curta. Dessa vez levei a cadeira para o quarto dele, pensando que mudar o local poderia fazer diferença. De facto não fez uma fita tão grande. O pior é que ele pode gostar da actividade mas detesta a limpeza que se segue o que quer dizer que seja como for acabo com um miúdo aos gritos.

Da segunda vez fiz uma pasta com farinha e àgua mas foi na sala, que é onde ele come, e já não correu tão bem, para além de fazer muito mais porcaria. Só não encontrei o corante alimentar para juntar à massa porque não podia deixar o Tiago sozinho para ir procurar. Talvez no fim de semana tenha coragem de tentar outra vez.

A primeira experiencia de trabalhos manuais nem correu muito mal mas mostrou que o Tiago não é minimamente cooperativo. Fiz cola com farinha e água novamente e a ideia era colar cherios numa cartolina para fazer um desenho. O Tiago gostou de espalhar a cola pela cartolina com as mãos e arrancar todos os cherios que eu ia colando, ou seja, tudo menos tentar seguir instruções, mas pelo menos divertiu-se.

Também achou piada à plasticina mas ainda não percebeu para que serve. Limita-se a partir dois bocados e atirá-los ao chão. Mas é importante começar a introduzir novos materiais e actividades. Como o tempo pode ser que ele começe a achar piada a colaborar.

No fundo sinto que em termos de disciplina sou um fracasso. Vê-se que ele já faz coisas só para provocar e como não o ponho de castigo arrisco-me a criar um monstrinho. Espero ainda ir a tempo de corrigir a situação.

Tem-se recusado a comer ao almoço, nos últimos dois dias, o que faz com que tenha de lhe dar novamente o almoço ao lanche. Hoje nem assim. Atirou o prato ao chão e recusou a sopa. Resolvi montar o parque para ter um sítio onde o por de castigo mas tenho sérias dúvidas que vá funcionar.

Pela positiva, a novidade mais recente é que aprendeu a descer da cama ser ser de cabeça. deixa cair um pezinho de cada vez e desliza para o chão. Estou sempre a segurar-lhe na camisola, just in case, mas já não preciso de lhe dar apoio nenhum que ele safa-se muito bem.

Ontem levei-o ao jardim e ele já conseguiu subir sozinho as escadas do escorrega mais pequeno e já consegui que ele descesse pelo escorrega (normalmente tenta sempre voltar a descer pelas escadas). Estava cheio de medo e agarrava-se à minha camisola com toda a força mas lá desceu. Por um lado é bom saber que ele tem medo de cair porque assim pelo menos não se atira sem eu estar lá para o agarrar.

Deixar uma resposta