Sexta feira no alentejo

Na passada sexta feira de manhã enfiámos um monte de comida e vários acessórios no carro e fomos a caminho do Alentejo.

Como é obvio isso seria demasiado simples, portanto ao fim de 15 minutos, já na auto-estrada, descobrimos que as braçadeiras do Tiago tinham ficado em casa por isso demos meia volta e regressámos a casa. Ainda parámos numa estação de serviço para ver se teriam braçadeiras mas como não havia nada lá voltámos tudo para trás.

Quando finalmente arrancámos de vez eram já 11 horas – 1 hora mais tarde do que o previsto. Chegámos à casa quase ao meio dia e meia. A Carla o o Jónatas já tinham chegado e a minha mãe tinha andado a fazer uma visita guiada, já que adora exibir a sua casinha. Pouco tempo depois chegaram o Nelson e a Catarina. O Filipe e a Marta ainda andaram perdidos durante um bocado graças a uma bifurcação na estrada que nunca tinhamos reparado que existia. O Gustavo e a Xana foram os últimos a chegar, mesmo a tempo do almoço.

Apesar de sermos nós a convidar, quem acabou por cozinhar tudo foi o Jonatas e a caitada da Carla ainda foi obrigada a levar o seu próprio almoço porque não come carne. Fez umas espetadas vegetarianas com muito bom aspecto e levou também um bolo de limão e sementes e papoila para a sobremesa. As saladas foram fornecidas pela Marta e pela Xana, O Nelson e a Catarina levaram salada de frutas e um bruto camião para o Tiago (com que ele se tem divertido imenso porque dá para por outros brinquedos lá dentro que é o que ele gosta de fazer agora).

A única parte chata do almoço foi a enorme quantidade de moscas. A minha mãe tem lá umas velas para afugentar insectos mas esqueceu-se de mencionar o assunto.

Durante a tarde estivemos todos na zona da piscina. O Tiago estava cheio de medo da água e não consentiu mais do que estar de pé no primeiro degrau a chapinhar num centimetro de água, muito agarradinho ao pai. Ainda andei com ele ao colo dentro da água mas ele não estava nada à vontade por isso não insisti.

Por volta das seis voltaram os meus pais e a minha mãe foi fazer chá e estivemos a lanchar. Depois as pessoas começaram a ir embora e nós por fim também, pouco antes das 8 horas.

O Tiago, que se aguentou acordado o dia inteiro, apesar de dar sinais de estar exausto, lá adormeceu finalmente, no carro, mas só dormiu meia hora.

Quando chegámos a casa foi preciso dar-lhe o jantar e metê-lo na cama antes de conseguirmos pensar em descansar um bocadinnho.

No sábado eu estava de rastos. Não me custava tanto sair da cama desde que o Tiago tinha uns 3 meses. Ao fim de uma semana a fazer exercício a culminar com o esforço do dia anterior, incluindo o exercício de nadar na piscina, passei o sábado quase sem me conseguir mexer.

Em compensação o Pedro passou o sábado a tomar conta do Tiago e a limpar a casa. Coitado.

Ao fim do dia já me sentia um bocado melhor por isso acabei por fazer o exercício do costume, apesar de ter eliminado a parte de correr. Se não tivesse visto o Pedro de calções a preparar-se para subir para a passadeira nunca teria ganho coragem, mas assim até parecia mal por isso lá fiz o esforço. Decididamente é mais fácil quando não tenho de convencer-me a fazer exercício sozinha.

Nessa noite não consegui dormir muito bem. Acho que comecei a ficar ansiosa com o facto do Tiago estar quase a entrar para o infantário e dei por mim completamente acordada às 4 da manhã. Agarrei no livro que tenho andado a ler e que estava quase no fim (Jane Eyre de Charlotte Bronte) e fui para a sala acabar de o ler até às 6 da manhã, altura em que voltei para a cama.

Deixar uma resposta