O perigo de ter uma criança

Normalmente, quando se fala de perigo e criança na mesma frase, estamos a referir-nos a perigos PARA a criança. Porém, quando se tem um filho que gosta de dar cabeçadas, o perigo é a própria criança.

Depois de já ter levado muitas cabeçadas na ponta do nariz e nas maçãs do rosto, mesmo em chio no osso, já devia tomar algumas precauções quando estou ao pé do Tiago, mas os ataques são sempre imprevisíveis. Ontem à noite o Tiago estava a brincar com os atilhos da minha camisola e, por qualquer motivo que já nem me lembro, entusiasmou-se e deu-me uma cabeçada com toda a força no nariz. Como disse anteriormente, já tinha levado muitas mas nenhuma deste calibre. Enquanto estava encolhida a um canto, agarrada ao nariz e a choramingar como um bebé, o Tiago ficou ligeiramente preocupado mas nem se apercebeu do que aconteceu e ao fim de um minuto ou dois já andava a brincar normalmente.

Assim que passou a dor inicial eu também tentei endireitar-me e tentar comportar-me normalmente, porque sabia que ele não fez de propósito e não o queria assustar. Só que foi nessa altura que começou a jorrar o sangue porque tinha parado de apertar o nariz.

Para qualquer pessoa normal isso não é mais do que mais uns momentos de desconforto até parar a hemorragia mas infelizmente eu tenho uma reacção imediata ao sangue. É um fenómeno bastante comum e que no meu caso parece ser de família. Saltou ambos os meus pais mas o meu irmão e o meu tio também são assim.

Comecei a ficar enjoada. É um daqueles enjoos que eu tento controlar mas já sei que vou acabar por vomitar faça o que fizer. É horrivel quando o nosso corpo nos controla dessa forma. Até podemos achar que estamos calmos e racionais mas não há nada a fazer. O Pedro diz que por esta altura fiquei ainda mais branca do que o costume, algo que não posso confirmar porque não vi.

Ao fim de um bocado, como o enjoo não passava, o Pedro sugeriu que eu tentasse andar um bocado. Não me pareceu boa ideia mas pensei que se era para vomitar que fosse depressa porque não queria ficar assim mais tempo. Fui até à casa de banho molhar a cara e comecei com tonturas. Sentei-me rapidamente mas não ajudou e comecei a ver tudo branco. Chamei o Pedro, para o caso de cair para o lado mas acabei por não desmaiar porque fui distraída pelo vómito.

O Pedro estava a tentar distrair o Tiago e evitar que ele entrasse na casa de banho – não vale a pena traumatizar já a criança – e depois de uma longa sessão de vómito o meu estômago lá se acalmou e senti-me finalmente melhor.

Depois de lavar vigorosamente os dentes e abusar do mouthwash, fomos dar banho ao Tiago e deitá-lo, como normalmente. Depois fui tomar banho, porque tinha ficado a suar que nem um porco com isto tudo.

Felizmente a pancada não foi grave porque acertou muito em cima, já no osso. Não sei se teria a mesma sorte se tivesse sido um bocadinho mais abaixo. Não que eu seja grande fã do meu nariz mas é o único que tenho e já agora gostava de o manter intacto.

1 Comment

  1. Não tem muita graça mas o facto é que me fartei de rir! Tenho uma Mafalda igualmente entusiasmada, mas ainda só tem 15 meses. Identifico-me a cada palavra. Ela é semelhante. Corre por todo o lado, atira-se para trás quer tenha ou não alguma coisa a segurá-la, atira-se para a frente, ri-se dos disparates que faz e sempre que encontra uma parede faz o teste de resistência e manda a tradicional cabeçada para ver se é ou não rija (ela e a parede!) Mas o pior é quando ela está o meu colo a brincar e se entusiasma! Então quando se lembra que gosta de dar “turras”… Tenho a sensação que nos ultimos tempos o meu nariz está ligeiramente diferente… Porque será?

Deixe uma resposta