Mais uma

Hoje saí de casa a correr, já em cima da hora do Tiago sair da escola, porque tinha estado a tentar por os downloads da loja a funcionar. A parte do download ficou a funcionar mas pelo caminho fui descobrindo outros problemas para resolver e aquilo nunca mais acabava. Aliás, não acabou porque ainda faltam coisas.

Tudo isto porque de manhã estive a fazer o primeiro tutorial de bijutaria e queria po-lo online. Afinal descobri também que ainda falta uma secção mas não é grave e é fácil de fazer.

Quando cheguei à escola recebi a informação de que o Tiago tinha enfiado as mãos na fralda suja e depois resolveu andar a pintar as paredes com o cocó. É nestes dias que as creches merecem o dinheiro que lhes pagamos…

Eu até estava toda contente porque ele ter feito xixi no bacio de manhã. Mas suponho que não é surpresa nenhuma porque sei perfeitamente que ele gosta de mexer na porcaria que faz. Devia filmar para usar como chantagem quando ele se tornar um adolescente irritante 🙂

Depois do jardim infantil, onde se fartou de correr e brincar, voltou a amuar. Deixei-o sentar-se no chão para descansar um bocado e ver se passava. Mais uma vez não percebi o que deu origem ao amuo.

Como ele não saia dali, fartei-me e peguei-lhe ao colo. Começou a berrar como se estivesse com dore – soluçava de tal forma que durante um bocado o som nem saía! Realmente o colo pode ser uma tortura enorme para uma criança de dois anos.

Tentei po-lo no chão uma ou duas vezes mas ele começava logo a atirar-se para o chão por isso carreguei-o durante um bocado. Desta vez nem foi à saco de batatas, debaixo do braço, foi colinho a sério – virado para mim, sentado no meu braço – mas a única coisa que ele fazia era sacudir-se e tentar atirar-se ao chão.

Quando me fartei lá o consegui por a andar. Por essa altura ele queria o ursinho, que é o objecto de conforto quando a mamã está a ser má, mas quando o tentei dar, umas duas ou três vezes, ele recusava-se a aceitá-lo (provavelmente porque era eu a dar – malditos conflitos). Então guardei o boneco e disse-lhe que só o tinha de volta quando parasse de chorar. Foi o caminho todo a ginchar, com um braço esticado à frente como se estivesse a tentar alcançar o boneco, mas andou até como um burro com uma cenoura à frente do nariz.

Negar-lhe o ursinho pode não parecer muito grave mas garanto que é o objecto mais precioso que ele tem e o sofrimento deve ter sido atroz. No entanto não parece ter sido o suficiente para se calar antes de chegar à porta de casa.

Felizmente por essa altura lá se acalmou, devolvi-lhe o boneco e comecei a conversar normalmente sobre o lanche para ver se não repetia a cena no elevador.

Esteve tudo bem até eu lhe pedir para lavar as mãos. Quando recusou voltei a retirar-lhe o boneco e ele lá foi obedientemente para a casa de banho. Também me deu a oportunidade de lavar o raio do urso que já estava todo porco. Normalmente espero por um momento em que ele não sinta a falta do boneco mas assim também funciona.

Enfim, vai devagarinho mas espero que vá melhorando com o tempo.

A mania de mexer nos fluidos corporais, por outro lado, tenho a sensação que está para durar. Em ultima análise ponho-lhe uns baldes de tinta e umas telas ao pé do bacio e chamo-lhe arte.

3 Comment

  1. Epá…Freud explica isso muito bem!

  2. “Devia filmar para usar como chantagem quando ele se tornar um adolescente irritante”

    ok, absolutamente genial!! é capaz de funcionar sim, dica fabulosa, esta!
    imagina mais tarde ameaçares de publicar no youtube pros amigos dele verem. aposto de atina logo lolll

  3. Aposto que quando ele for adolescente o Youtube já não existe. 🙂

Deixe uma resposta