Evolução da técnica de lidar com birras

Na passada sexta feira, depois de deixar o Tiago na escola, decidi que não voltava a irritar-me com as birras. Acho que o facto de por uma cara zangada ou uma expressão desesperada é o suficiente para agravar as birras, e como tal decidi, dentro do humanamente possível, manter a calma e reagir o menos possível.

Quando fui buscá-lo estava preparada para a luta do costume e quando começou não foi surpresa. Falei com ele calmamente e dei-lhe beijinhos para tentar travar a coisa antes de começar ma como não funcionou e ele se recusava a colaborar, peguei no Tiago ao colo com toda a calma, sem ralhar nem fazer nada disso apesar dele espernear e levei-o para fora da escola. Sentei-o no carrinho, ignorando a luta, fiz-lhe uma festinha para ele perceber que não estava zangada e fomos andando para casa. Como ia a gritar não foi ao escorrega e berrou o caminho todo como é costume. Quando estavamos a chegar a casa já se tinha acalmado um bocado por isso disse-lhe que ia ficar com os avós. Quando os viu o Tiago ficou todo feliz, saltou para fora do carrinho e correu para ir ter com eles.

O sábado foi um bom dia. Fomos à praia de manhã , actividade que ele adora e é preciso arrastá-lo para fora da água quando está a tremer porque ele não quer sair dali nem por nada. Quando começou a dar sinais de cansaço ia começar um birra para mudar a fralda e vestir mas conseguimos que se acalmasse. Falei com ele o mais docemente possível e fui perguntando se queria ser ele a vestir a fralda e a camisola. Ao sentir que tem algum controlo sobre a situação e que é ele que está a fazer tudo sozinho o Tiago torna-se um pouco mais cooperante. Não funciona sempre mas vale a pena tentar.

Ando o caminho todo até ao carro e depois adormeceu a meio da viagem. Quando chegámos a casa demos-lhe comida, porque da sandes que levámos para a praia ele só comeu o queijo e o fiambre e deixou o pão. Depois foi tomar banho e brincar até ao jantar porque nestes dias já sabemos que não vale a pena tentar deitá-lo para a sesta.

No domingo o Tiago estava muito cansado. Acordou um bocadinho rabujento mas passou-lhe até à hora de almoço. De manhã fomos fazer umas compras, entre elas plasticina e moldes para ele brincar. Normalmente é uma dor de cabeça ir às lojas mas acho que estamos a melhorar. Entramos e saímos rapidamente, fazendo as compras com precisão em vez de passar montes de tempo a vaguear e ver o que está nas prateleiras. Como estamos sempre a ir a sítios diferentes o Tiago não se aborrece tanto.

A falta de sesta do dia anterior começou a notar-se ao almoço. O Tiago comeu pouco e quando o fomos deitar começou a dar pontapés e não queria mudar a fralda. O Pedro acabou por se irritar e deu-lhe uma palmada e deixou-o sozinho no quarto um bocado. Ele foi imediatamente à procura da mamã, que é a técnica típica dos miúdos: quando o papá é mau pede-se mimos à mamã e vice-versa.

Foram dois minutos no máximo mas ele começou com um choro tão forçado, sempre a tentar berrar mais alto, que começou com vómitos. Não chegou a vomitar mas é óbvio que assim que ouvimos um som desses acabou o castigo. O Tiago estendeu os braços para o pai, que lhe deu colo. O Tiago acabou por adormecer ao colo porque esta é uma birra típica de cansaço extremo.

O resto do dia correu bem mas à noite o Tiago passou a exigir a presença dos dois pais até ir para a cama. Nós temos um ritual de deitar que consiste em vestir o pijama, ler uma história, 10 minutos de colo até a música do projector acabar e cama. O colo costumava ser à escolha do Tiago. Umas vezes era o Pedro outras eu. Mas agora quando me despeço dele, deitado ao colo do pai, ele agarra-me na mão e diz ‘não’. Tenho de me sentar também, ele faz um grande sorriso de vitória e espera pelo fim da música.

A saída da escola ontem já correu melhor. Ele estava outra vez a fazer beicinho e a recusar-se a sair por isso peguei-lhe ao colo, dando-lhe muitos beijinhos e levei-o ao colo para fora da sala. Parámos no aquário para ele ver os peixinhos e continuei com ele ao colo até ao escorrega. Não esperneou nem gritou apesar de continuar a fazer beicinho.

Quando começou a ficar farto do escorrega dei-lhe uma bolacha e ele acabou por se sentar no carrinho voluntariamente e fomos alegremente até casa. Um stock de comida na mala é sempre uma boa arma nestas situações.

Sei que daqui a uma semana muda tudo outra vez e vou precisar de novas soluções mas ter uns dias sem grande conflito é já uma grande vitória.

2 Comment

  1. O que vale é que eles crescem…..

  2. Bruno Figueiredo says: Responder

    Só porque acho interessante a abordagem, se puderes vê uma série inglesa chamada SuperNanny. Abriu-me bastante os olhos para novos métodos de lidar com as birras das crianças.

Deixe uma resposta