Depilação, anéis e muito sono

A segunda feira foi um daqueles dias em que é preciso cronometrar tudo ao milimetro para conseguir chegara  todo o lado a horas. Comecei por levar o Tiago à escola e depois fui para Lisboa a mais uma sessão de depilação laser.

Optei por fazer só axilas e virilhas desta vez uma vez que tenho as pernas levemente bronzeadas. Os pelos não desapareceram todos, ao fim de 6 sessões, mas abaixo do joelho não tenho quase nada. Só do joelho para cima é que se continuam a notar bastantes. Acho que por serem mais claros e mais finos o tratamento não está a ser tão eficaz.

Como foi uma sessão rápida, cheguei ao bairro alto a horas de ir à loja da Rua da Rosa entregar os aneis que tinha disponíveis, já que só sobravam uns 7 na loja. Por coincidencia logo no dia seguinte entrou uma senhora na loja que levou 14, aparentemente para uma loja no Japão. É óptimo mas quer dizer que preciso de fazer mais aneis e depressa. Passei os últimos dois dias a fazer uns quantos só em arame mas faltam pelo menos nove com contas para substituir os que foram comprados. É bom ter trabalho deste 🙂

Depois voltei para casa a tempo de beber um bocado de água e tricar qualquer coisa antes de ter que ir buscar o Tiago à escola.

Na quarta à tarde tive um workshop de introdução à bijutaria de arame. Decidi começar por fazer um anel e só depois falar dos componentes porque passar duas horas a fazer apenas fechos, argolas, pregos e componentes de corrente sem ficar com uma peça completa não é o que as pessoas esperam. As pessoas que vão aos workshops querem sair de lá com algo ‘wow’ mesmo que nunca tenham mexido no alicate antes e eu tenho feito os possíveis por lhes dar isso, algo complicado quando não se sabe o que a pessoa consegue fazer.

Não consegui perceber se as senhoras gostaram ou não. Acho que iam com expectativa de aprender algo específico mas não conseguiram transmitir o que era, apesar de eu ter perguntado se tinham preferencias. No final percebi que uma das senhoras queria aprender a fazer pendentes wire-wrapped semelhantes aos que faço com pedras semi-preciosas e arame de prata. O problema é que essas peças têm alguns requintes de malvadez que só se contornam com alguma prática pelo que não é algo que costume ensinar a iniciados porque acaba por ser frustrante não conseguir manter o arame direitinho e paralelo ou atar o topo sem deixar fugir a pedra, por exemplo. E no fundo o anel que fizemos, e que já deu luta, tinha algumas das técnicas básicas usadas no pendente.

Quando o workshop acabou fui a correr buscar o Tiago para chegar a horas.

Uma das ruas por onde tenho de passar tem constantemente um prédio a ser pintado e os andaimes ocupam todo o passeio obrigando as pessoas a ter de andar pela estrada. Cada vez que um prédio fica acabado respiro de alívio mas umas semanas depois começa outro. Isto torna a viagem muito cansativa porque tenho que estar sempre a lembrar-me que aqui ou ali preciso de atravessar a rua para o outro lado. Quando levo o Tiago de manhã, geralmente já atrasada e vamos com o carrinho é um pesadelo porque a passadeira mais próxima é muito longe e se não me lembro de atravessar lá tenho que ficar ali à espera de um intervalo entre carros e ter de me atirar para a estrada com o carrinho do Tiago. Odeio ter de fazer isso porque aquilo é uma subida e os carros vão a abrir.

As noites continuam a ser um desafio. O Tiago decidiu que não quer dormir sozinho e acorda todas as noites por volta das duas da manhã. Umas noites deita-se na nossa cama, adormece e pronto. Outras vem para a nossa cama mas anda aos pinotes, dá pontapés no pai, vira-se ao contrário e não deixa ninguém dormir. Levá-lo para a cama é inútil porque eu espero que ele adormeça antes de sair do quarto mas meia hora depois ele está de volta.

Não consigo deixar de achar piada porque ele vem para o quarto, trepa para a cama e deita-se entre nós dois. Passado um minuto levanta-se, vai buscar a almofada à cama dele e volta. Nada como o conforto.

Por mim aquilo que penso é – será que alguma vez vou voltar a dormir uma noite inteira? E eu que pensava que as noites interrompidas tinham acabado.

Esta noite acordou às duas e foi para o hall resmungar até cerca das quatro da manhã. Não percebi se voltava para a cama de vez em quando ou se ficou o tempo todo sentado no chão do hall. Às quatro fartou-se de protestar e veio para a nossa cama onde dormiu até às nove e meia. Lá fomos atrasadíssimos para a escola outra vez, depois de uma birra porque não se queria vestir, mas pelo menos hoje não ficou a chorar na escola. Sabe que ando com bolachas e gomas na mala e pediu uma quando me despedi. Ficou com um grande sorriso quando lhe dei um gummy bear. Pode não ser great parenting andar a subornar a criança com doces mas a verdade é que ele até mereceu por não ter feito birra na escola.

Tenho sono. Tenho imensas coisas que quero e preciso de fazer e não me consigo concentrar mas também não consigo ir dormir. Oh well, é mais uma fase que um dia destes passa sem darmos por nada.

Deixe uma resposta