Manhã burocrática

Na terça de manhã o meu pai teve um acidente. Ia de mota para o trabalho, como sempre, num cruzamento onde passa todos os dias. O piso estava molhado e ele atravessou o cruzamento mais lentamente do que o normal para não escorregar. Levou com um carro em cheio no lado direito, ficando coom o pé preso entre a mota e o carro. A senhora que ia a conduzir o carro até travou, mas como o chão estava molhado, o carro derrapou e e não conseguiu parar a tempo.

O meu pai foi para o hospital com o pé feito num oito dentro de uma bota que ficou completamente desfeita, mas felizmente não partiu nenhum osso – o médico até fez o raio-x duas vezes para ter a certeza que não tinha escapado nada. Agora está em casa, onde tem de ficar uns dias com o pé elevado.

Como convém tratar das tretas dos seguros depressa, hoje fui à seguradora entregar os papeis de declaração de sinistro. Era suposto ser uma coisa simples mas acabou por levar a manhã toda.

Primeiro, quando cheguei à morada indicada, dei com um aviso a dizer que tinham mudado de localização. Estava na duvida qual era a rua indicada (porque apesar de viver nesta cidade desde que nasci não ligo nenhuma aos nomes das ruas) mas foi fácil de encontrar. Descobri rapidamente onde era o novo escritório, entrei, tirei senha e esperei. Quando fui finalmente atendida disseram-me que faltava uma assinatura e mandaram-me embora.

Voltei para casa do meu pai para ele assinar – porque raio é que eles precisam de duas assinaturas na mesma folha? – e acabar de preencher mais umas coisas e voltei à seguradora.

Estive 20 minutos à espera. Durante esse tempo não atenderam uma única pessoa. Tinham 5 mesas de atendimento distribuidas da seguinte forma: 1 para pagamentos, que não atendia mais nada, outra com um homem que esteve a atender a mesma pessoa praticamente todo o tempo que estive à espera e quando acabou foi meter conversa com a colega do lado em vez de passar à pessoa seguinte, uma com uma tipa que esteve a engonhar até ser meio dia, hora de almoço dela, e que mesmo assim saiu 5 minutos antes. A última mesa pareceu ser a única com alguém a trabalhar mas que também estava a tratar algo de demorado.

Só quando um dos homens que estava à espera se queixou é que os dois que estavam na conversa se deram ao trabalho de voltar a atender pessoas.

Depois disto tudo foi só entregar os papeis, receber uma cópia e sair. Comprovei com isto que os serviços em Portugal continuam a ser a mesma merda de sempre.

Deixe uma resposta