Sobrevivi às férias

Pois é, foram duas semanas de gestão de tempo, paciência e energia muito criativas. Incluiram brincar aos cavaleiros e piratas, ser a Minnie para o Mickey do Tiago e tratar do doi-doi do gatinho, falar pelo Mickey de peluche a quem o Tiago gosta de mostrar tudo o que inventa, fazer compras no supermercado que estranhamente apareceu na minha cozinha, cozinhar com plasticina, pintar com aguarelas (sempre a preto), fazer pistas de carros e comboios, ler livros, fazer de gatinho e levar o Tiago a andar de triciclo, tudo geralmente com um bebé ao colo, e ainda arranjar uns momentos para prepara comida, dar banho, lavar roupa e loiça, limpar o caixote dos gatos, lavar o chão e preparar e enviar a ocasional encomenda.

Cheguei à conclusão que o ser humano tem recursos muito mais vastos do que imagina. Quando achamos que estamos exaustos e não aguentamos mais, mas não temos alternativa, é que nos apercebemos que afinal ainda conseguimos brincar às escondidas enquanto o esparguete coze e que a dor de costas causada pelo bebé de 4 quilos, que continua a crescer a uma velocidade maior do que o nosso corpo se consegue adaptar, afinal pode esperar mais um bocadinho porque não vamos ter tempo para nos deitar e descansar antes da meia noite. Encontra-se energia extra não sei bem como.

No final fiquei espantada com a falta de birras que esperava do Tiago. Parece que o rapaz está finalmente a crescer e a aprender paciencia. Desde que continuasse a falar com ele e prestar-lhe atenção, ele deixava-me ocasionalmente fazer algumas das tarefas que eu precisava. Geralmente queria ajudar, o que faz sempre com que se demore o dobro do tempo a terminar qualquer coisa, mas que se lixe – pelo menos vai aprendendo.

Pelo meio tive também a ajuda preciosa dos avós que, pelo menos um dia por semana levaram o Tiago a dar um passeio por um par de horas.

Hoje foi finalmente dia do Tiago voltar à escola- Quer dizer que pela primeira vez em duas semanas consegui tomar duche antes das duas da tarde. Por outro lado este post foi quase todo escrito só com uma mão enquanto a Joana está a mamar. As mães precisam de ser criativas.

1 Comment

  1. Eu também escrevi imensos post com a minha filha nos braços… E arrumava loiça e estendia roupa com todo o cuidado com ela no marsúpio! Isto de ser mulher não é fácil :p

Deixar uma resposta