O dia seguinte

No domingo começou a arrumação. Os meus pais vieram ajudar a começar a dar ordem ao caos. O meu pai montou o berço da Joana e foi comprar uma anilha para ligara a máquina da loiça e a minha mãe esteve a lavar a cozinha (depois das mudanças já percebi que é muito dificil arrancar as mães da cozinha).

Por sorte o meu pai descobriu que os administradores do prédio do lado, que estão furiosos connosco por causa do algeroz que o empreiteiro montou na fachada, afinal são velhos amigos dos meus pais e conhecem-me desque que eu era bebé. Quando souberam que a dona da casa era eu e que de facto aquilo não tinha sido uma situação causada por nós de propósito e que não queriamos prejudicar ninguém, acho que se acalmaram um bocadinho e somos capazes de nos ter escapado a complicações legais por causa de uma coisa que não foi efectivamente decisão nossa.

Por um lado acho que a fita feita à volta do algeroz é um bocado exagerada, por outro lado compreendo que não se podem fazer alterações ao exterior de um edifício sem aprovação do condomínio (nem nós pensámos que o empreiteiro o fosse fazer). Enfim. Estivemos a pensar em alternativas que vou comunicar ao empreiteiro na segunda feira e depois falamos com os administradores dos dois prédios a ver se isto se resolve antes de começar a meter advogados.

Eu andei à procura das caixas de copos, panos de loiça e brinquedos do Tiago e com ajuda do Pedro estive a lavar o chão da marquise que estava ainda coberto de tinta. Não acabámos mas conseguimos pelo menos lavar ao longo das paredes que vão ter móveis encostados para não ser preciso voltar a afastá-los.

Por fim voltámos à casa antiga para ir buscar os últimos dois gatos que o Pedro não tinha ainda conseguido apanhar sozinho. A Buffy estava escondida atrás do rodapé dos móveis da cozinha e o House até me deixava aproximar para lhe fazer umas festinhas mas se o tentasse agarrar com duas mãos ele virava-se logo com unhas e dentes.

Depois de um esforço conjunto de condução de rebanho, lá conseguimos enfiar os gatos nas caixas. Felizmente o House estava mais assustado do que agressivo e consegui empurrá-lo para a caixa com uma mão sem ficar cortada às tiras. Na casa nova escondeu-se atrás do frigorífico e dali não sai. Os 3 gatos mais velhos já passaram por uma mudança anterior e ajustaram-se depressa. Os outros é que nunca tinham saído daquela casa a não ser para ir ao veterinário e andam bastante mais nervosos. Às vezes ainda penso ‘nem acredito que conseguimos trazer os gatos todos sem uma visita às urgências’. Espero nunca mais ter de me mudar.

Deixe uma resposta