A uma semana dos 4 meses

Tenho tido muito pouco tempo no último mês por isso prefiro escrever quando dá do que deixar passar mais um mês sem referir a evolução da Joana.

Aos 3 meses já segurava a cabeça muito bem mas continua a não gostar muito de estar deitada de barriga para baixo. Lá a ponho a fazer esse exercício ocasionalmente mas a maior parte das vezes é preferível recostar-me no sofá e deitá-la no meu peito. O efeito é quase o mesmo e pelo menos ela tem uma cara para a entreter.

Sinto que já não me lembro de quase nada de quando o Tiago tinha esta idade por isso é complicado fazer comparações. Acho-a muito mais parecida comigo do que o Tiago e às vezes tenho a sensação  de estar a olhar para mim própria em bebé. É mesmo muito estranho.

Como já escrevi antes, a Joana nesta fase gosta muito de música e de me ouvir cantar. Às vezes tem o efeito contrário do pretendido porque eu tento cantar para a embalar e ela acorda, fica a olhar fixamente para mim e a sorrir enquanto eu canto. Só quando me calo é que se vira para o lado e volta a tentar adormecer. É muito mais dependente da chucha do que o Tiago era mas é praticamente só para dormir e porque eu acho preferível a deixá-la chuchar nos dedos. Se não tiver nada, uma fraldinha, a manta ou um boneco também servem.

Mas já passa muito mais tempo acordada e já se interessa muito por bonecos, livros e até pela televisão. Já brinca com as mãos, agarra em bonecos e leva-os à boca e parece muito interessada nos gatos. Não só fica a olhar para eles como se inclina para a frente e faz-lhes festas quando lhes consegue chegar. Não agarra no pelo só para puxar, como o Tiago fazia – agarra e larga, agarra e larga. É mais massagem que outra coisa mas os gatos não parecem queixar-se.

A coisa mais estranha para mim é o facto dela já virar as páginas dos livros. Comecei com o mesmo livro que o Tiago gostava – um pequeno livro quadrado de cartão grosso com uns frutos em fimo muito giros e coloridos com caras sorridentes. Apesar dos movimentos ainda descoordenados, a Joana agarra em cada uma das páginas e vira-a para ver o que vem a seguir. Se fosse só uma vez ou outra poderia ser coincidencia, mas quando ela faz o mesmo movimento para todas as páginas do livro ficou um bocado surpreendida.

Continua a dormir a noite toda. Eu acordo com ela a chupar os dedos com fome, pego-lhe, dou-lhe de mamar, volto a deitá-la e ela muitas vezes nem chega a abrir os olhos. Por outro lado continua com super audição e durante o dia acorda ao mais pequeno ruído, especialmente se for perto. Durante o fim de semana o Pedro esteve a furar a parede da casa de banho para pendurar candeeiros e ela estava tão cansada que não acordou mas assim que passei perto dela, mesmo sem fazer muito barulho, abriu logo os olhos. Dá para perceber que o instinto de sobrevivencia está a funcionar.

Deixar uma resposta