O dente

E na mesma semana em que partiu o braço, o Tiago perdeu também o primeiro dente. Já abanava há uns tempos e no domingo, quando vi que aquilo estava tudo solto atrás foi só agarrar e puxar. Ele ficou muito desconfortável com o sangue mas acalmou-se depressa ao ver que a nossa reação era calma e descontraída. Arranjei uma caixinha para o dente e passado um bocado ele já dizia que o queria levar para a escola no dia seguinte para mostrar aos amigos.

De tarde tivemos a visita da tia Bela e do tio Fernando que, com um truque de magia, fizeram aparecer uma moeda na caixa do dente. O Tiago ficou de olhos muito abertos a olhar para aquilo e depois muito desconfiado a tentar perceber quem é que o tinha enganado, mas como ninguém se descoseu começou a tentar outra vez a ver se apareciam mais moedas.

O mais giro é que quando a Bela lhe perguntou o que é que ele ia fazer com a moeda ele disse que a ia dar aos pais para comprarem coisas. Lá fomos buscar o mealheiro e explicámos a noção de poupança que, para um miúdo que anda a dizer que não quer nada para o Natal porque já tem muitos brinquedos, deve ser uma noção um bocado inútil nesta idade. O meu filho é estranho. 🙂

Quanto ao braço, o Tiago ficou em casa dois dias mas sempre bem disposto, sem se queixar de dores. Na quinta ao fim do dia foi mostrar o gesso aos colegas que o cercaram todos curiosos e na sexta já quis voltar mesmo para a escola.

O primeiro dente é que ficou na escola. Aparentemente o actual nemesis do Tiago, um menino chamado André, foi ao cacifo dele, tirou o dente da caixa e deitou-o no lixo quando o Tiago não estava a ver. O miúdo estava quase a chorar quando me contou a história, coitado. Estavamos mesmo à espera que o dente não voltasse mas se foi assim, tenho que ter uma conversinha com esse André…

Deixar uma resposta