Festas de Natal da escola

Devo dizer que já odeio as festas de Natal. Compreendo que os professores gostem de mostrar que conseguem domar as feras, mas acho que devia ser algo opcional, de acordo com a personalidade das crianças. Cá em casa temos uma extrovertida que adora estas coisas, e um introvertido para quem isto é o maior pesadelo imaginável.

Na passada quarta feira foi a festa da escola da Joana. Fizeram uma produção da Cinderela, em que a Joana era uma das irmãs más. A demonstração do seu papel passava por cruzar os braços e bater com o pé no chão, algo que ela faz admiravelmente.

Acho piada que tenha escolhido esta personagem. Mostra muito sobre a minha filha, que se define actualmente pelo facto de ser “a irmã”. Tem tanto orgulho em ser a mana que até no teatro mantém o papel.

A Joana esteve feliz e contente no palco. Colaborou, fez caretas e palhaçadas e vê-se que se divertiu. No final da festa é que todo aquele entusiasmo e o mar de gente que a rodeou não teve um efeito tão positivo e ela começou a berrar. Sentou-se no cacifo e amuou, recusando-se a colaborar. O pai levou-a a dar uma voltinha pelo corredor e ela lá acalmou, mas quando voltou foi imediatamente rodeada por pessoas e voltou ao mesmo. É uma coisa que não compreendo – porque é que as avós são incapazes de deixar os miúdos em paz quando começam com estas coisas? Até parece que há um prémio para a pessoa que conseguir fazer a miúda parar de berrar. Se os deixarem em paz aquilo passa num instante mas quanto mais se insiste pior fica.

Ontem foi a vez do Tiago, mas como passou o domingo a vomitar, achei que ele iria usar isso como desculpa para não ir. Ficou em casa, claro, mas já passou bem o dia, comeu normalmente e, fora uma dor de cabeça, não voltou a queixar-se de nada.

Quando lhe perguntei sobre a festa insistiu que queria ir. Achei muito estranho, porque sei bem o filho que tenho, mas dei o beneficio da dúvida.

A minha mãe veio cá para casa fazer babysitting durante a tarde para eu poder ir à minha aula de joalharia. Quando saí da aula liguei e afinal o Tiago queria ir mas já não queria participar. Certo. Mais de acordo com a personalidade dele. Enfim, por esta altura era tarde demais para mudar de planos por isso lá fomos. Esta festa foi bastante mais longa com diversas mini peças de teatro, música, demonstração da educação física, etc.

Quando o Tiago regressou vinha todo irritado porque o tinham feito subir para o palco uma ou duas vezes, apesar de não ter ido lá fazer grande coisa. E pronto, aqui está o Tiago que eu conheço. Acho que é preciso assumir que ele odeia estas coisas e pronto. Só não percebo porque é que ele insiste em ir quando já sabe que não vai gostar.

A Joana passou o tempo a tentar dormir no colo do pai por isso aproveitámos para sair nessa altura enquanto a festa continuou com os meninos mais crescidos.

Quando penso que no final do ano há mais…

Deixar uma resposta