Tempestade lá fora, reparações cá dentro.

Está um tempo horroroso. Chuva, uma ventania insuportável e só apetece ficar no quentinho. Em vez disso tenho estado ocupada com reparações domésticas.

Uma das decisões mais absurdas do empreiteiro que fez as obras da nossa casa foi por rodapés de madeira na marquise onde dormem os gatos. Começou tudo a apodrecer logo no primeiro inverno, como seria de esperar. Eu podia por-me para aqui a dizer mal do homem, que claramente tomou decisões imbecis pelo simples facto de achar que assim ficava mais bonito, em vez de se preocupar com questões práticas, mas a verdade é que a culpa é minha por ter deixado o homem avançar com tamanha absurdidade sabendo perfeitamente que não ia correr bem.

A parte de verdadeira incompetência que me irrita foi algo que só descobri quando finalmente arranquei os rodapés: a antiga saída de escoamento de água, de quando o terraço era aberto, não foi tapada. Ou seja, quando chove, entrava água por ali que era imediatamente absorvida pela madeira dos rodapés.

3 anos depois, fartei-me de limpar o bolor e optei por arrancar aquilo tudo e colocar eu rodapés em cerâmica. Tenho estado a fazer isso esta semana, apesar da chuva e humidade não ajudar. Neste momento falta apenas colocar dois azulejos inteiros e cortar 4 para os cantos. Comprei uma roda diamantada para a dremel mas tenho muitas dúvidas que consiga cortar os 4 com aquilo, só que na altura parecia absurdo comprar uma serra de azulejo só por isto. Se não funcionar levo os azulejos ao sítio onde os comprei e peço para cortar.

Como estava em modo de reparações, aproveitei também para alisar o estuque de um furo da parede que já tinha sido tapado há que tempos mas nunca pintado. Basicamente lixar o estuque faz uma poeirada desgraçada e custa-me sujar a casa toda. Como esta semana a mulher a dias não veio e vou ter que limpar tudo de qualquer forma, achei que era de aproveitar para fazer o lixo todo de uma vez.

Depois de um intervalo para almoçar e ver mais um episódio do Breaking Bad (que felizmente não foi tão deprimente como o anterior), vou agora ganhar coragem para começar a pintar as paredes. Oh boy…

Deixe uma resposta