Road to Paloma

Este filme, escrito e realizado por Jason Momoa em conjunto com dois amigos, tem como tema central a injustiça legal que afecta as tribos de nativos americanos.

Aparentemente, um branco que vá a uma reserva atacar a população nativa, mesmo que apreendido, não pode ser julgado localmente. Os nativos estão assim dependentes do tribunal federal que muitas vezes não considera espancamentos e violações (que pelos vistos são frequentes) crimes suficientemente graves para se estarem a chatear. É um daqueles casos de falhas legais em que o crime acaba por compensar. O filme tem como um dos seus objectivos chamar a atenção para esta situação de injustiça social.

Mas acima de tudo é um road movie. Gostei da fotografia, da cor, do ambiente algo sonhador da coisa, mas para quem não tenha grande paciência para aturar dois gajos montados em motas de cabelo ao vento, é capaz de ser um bocado seca. O facto de um deles ser o Jason Momoa deve tirar um bocado o aborrecimento, pelo menos às senhoras, apesar do tamanho dele fazer com que a Harley pareça um triciclo de criança, o que fica um pouco estranho, visualmente.

Fiquei espantada com a (quase) ausência de violência do filme, considerando o tema, mas acaba por ser mais sobre as consequências dos actos e provavelmente tem mais impacto assim.

Não é um filme fantástico porque é um pouco disperso, com uma série de pequenas cenas e encontros que parecem até irrelevantes para a história, excepto do ponto de vista em que nos ajudam a conhecer melhor o personagem principal, mas é um bocado parado. Mas pronto, é bonito e com um tema que nos deixa a pensar sobre o quanto ainda temos a percorrer pela igualdade de direitos.

1 Comment

  1. Vi no Instagram do Jason Momoa muito sobre o filme, também tenho curiosidade em ver, mesmo não estando à espera de nada genial. Mas também não é preciso, não só pelo Jason, mas pela tua review, acho que vale a pena ver.

Deixar uma resposta