Zombie Castaways e outros joguinhos para passar o tempo

Estou sempre à procura de jogos para passar aqueles intervalos em que preciso de vazar o cérebro por um bocadinho e fazer qualquer coisa divertida.
Já experimentei vários, e apesar de gostar muito de puzzles, por vezes até esses são demasiado complexos para os momentos em que preciso de descontrair.

Acabo por preferir os jogos tipo quinta e afins mas geralmente tornam-se frustrantes e monótonos muito rapidamente. Comecei com o Farmville, no facebook, como muita gente, mas o facto de ser preciso 500 amigos para avançar as colheitas murcharem ao fim de algum tempo fez-me desistir depressa. Não suporto que um jogo de treta tente controlar o meu tempo. Jogar é para quando não há nada mais importante para fazer, não deve ser nunca uma coisa que nos obriga a olhar constantemente para o relógio para ver se estamos atrasados, como se fosse um patrão a obrigar-nos a picar o ponto.

Depois tentei o Hay Day, que ainda joguei durante uns tempos, mas mais uma vez era mais o tempo de espera do que o tempo de jogo efectivo. Tornou-se repetitivo e monótono e desisti. Tentei novamente há pouco tempo e continua na mesma.

Gostei muito dos gráficos do Island Experiment, mas como jogo é pior ainda que os anteriores. São anos à espera que alguma coisa aconteça e até me deu gozo apagá-lo. Podia ser muito giro e pagava pelo jogo se me deixassem jogar em paz, sem aqueles tempos de espera absurdos para tudo.

Graças ao novo esquema de negócio destes joguinhos supostamente grátis, em que o dinheiro vem da compra de diamantes ou afins para fazer avançar as coisas mais depressa, o ritmo dos jogos é desacelerado a um ponto exagerado que faz com que não se consiga jogar mais de dois minutos de seguida e depois tem de se esperar horas até haver qualquer coisa nova para fazer. Isto para mim não é um jogo. É uma tortura. É que ainda por cima o preço dos tais diamantes é obsceno e não permite avançar quase nada. Era preciso largar um salário para valer a pena e isso é um roubo a que me recuso a aderir.

Prefiro pagar por um jogo logo à cabeça e poder jogar até ao fim sem me chatear do que passar por isto. Quanto mais lentidão eles metem nestes jogos, menos me apetece pagar seja pelo que for e acabo por apagar. Quando gosto, pago o valor equivalente ao que custa um jogo mas também não passa daí a menos que fosse de facto algo fabuloso em vez de uma perda de tempo divertida.

O meu filho sugeriu-me o Sunken Secrets e também tem uns gráficos bonitos mas sofre do mesmo problema. Abro de manhã, faço três ou quatro coisinhas e só volto a abrir no dia seguinte.

Recentemente experimentei um novo. Chama-se Zombie Castaways e é semelhante aos anteriores – tem colheitas, é preciso abrir caminho para estender o território e encontrar objectos para acabar de construir edifícios mas até agora tem sido dos melhores que já experimentei. Mesmo quando se acabam os machados para cortar árvores dá para saltar para outra ilha e ir fazer uma coisa diferente. Ainda não tive muitos momentos em que ficasse sem nada para fazer. Se não tenho ferramentas vou apanhar colheitas e em três minutos já há mais ferramentas para recolher. Se cortarmos árvores ganhamos picaretas ou catanas, o que quer dizer que mesmo com poucas ferramentas vamos avançando, mesmo que devagarinho.

Acredito que com o tempo se torne mais frustrante outra vez, mas até agora estou a gostar.

Deixar uma resposta