38 semanas

Na terça feira fomos a mais uma consulta. Começámos com o CTG e a Joana passou a primeira meia hora a dormir. Tive de comer um chocolate para a acordar (ai, que sacrifício!) e ao fim de um bocado lá se começou a mexer e a reagir como é suposto.

Na consulta o Dr. Saraiva marcou a cesariana e o internamento e ficou tudo combinado para o próximo dia 14. Era suposto ir lá dormir dia 13 mas ficou combinado que não haveria problema se aparecer dia 14 às 8.30 desde que não coma nem beba nada durante as 7 horas anteriores.

Com a ecografia foi calculado que a Joana está quase com 3 kg, continua na posição correcta e agora é só uma questão de respirar fundo e aguentar mais uma semana.

Na verdade tem sido complicado passar estas últimas semanas e se tivesse que esperar mais três não sei em que estado estaria no fim. Ando a acordar a meio da noite e não consigo adormecer outra vez e revivo muitas vezes o primeiro parto e o funeral com muito mais detalhe do que seria saudável. Ando ansiosa durante o dia sem conseguir perceber exactamente porquê e a única forma de passar o tempo sem ficar maluqueinha é manter-me o mais ocupada possível, o que quer dizer que passo os dias ao computador a trabalhar em vez de descansar com os pezinhos elevados para não ficarem tão inchados.

O Tiago também anda obviamente em stress e tem reacções exageradas, como desatar a chorar por pequenas coisas.

Ontem foi um problema ir buscá-lo à escola. Quando me viu foi-se esconder num canto e não queria sair. Acabei por ter que lhe pegar ao colo, algo não muito aconselhável nesta fase, e mesmo assim ainda passei por um quarto de hora de birra em que chorou, tirou os sapatos, deitou-se no chão e fez tudo o que podia para não sair da sala. Quando o consegui finalmente convencer a calçar-se e sair queria ir ao Parque. Aparentemente o escorrega não chegava. Levei-o ao relvado, que é uma volta muito maior,  mas quando lá chegou também não podia ser porque ali não tinha escorrega. Enfim, a teimosia continuou até conseguir finalmente enfiá-lo no metro e voltar para casa depois de ter que ir com ele a um café beber água – a que tinha na mala não servia, aparentemente – e mexer na água das fontes todas.

Hoje fui ao hospital para ir buscar a autorização para poder fazer laqueação de trompas ao mesmo tempo que a cesariana – já que vão abrir resolve-se tudo de uma vez. Acho interessante a contradição aparente entre o ponto 1 e o ponto 2:

1 – Que a laqueação tubária pretendida não é garantida como método de evitar a gravidez

2 – Que da laqueação tubária pode resultar impedimento total e irreversível para uma eventual gravidez posteriormente desejada.

Quanto ao ponto 1, o objectivo da coisa é precisamente evitar uma gravidez, mas claro que não há métodos infaliveis e se calhar ser um daqueles raros casos em que o método não é 100% eficaz eles têm de se proteger. É claro que fico logo a pensar se tenho que continuar a usar outro método à mesma…

Quanto ao ponto 2, é preciso ser-se uma pessoa muito indecisa para se submeter a uma coisa destas e depois mudar de ideias mais tarde e decidir que afinal sempre quer ter mais filhos, especialmente com a quantidade de opções anti-concepcionais não cirurgicas que existem.

Eu sinceramente, com todo o stress que sinto, não quero voltar a passar por isto nunca mais por isso espero que seja eficaz, até porque nos raros casos de pessoas que engravidam após laqueação, as gravidezes tendem a ser ectópicas, o que é uma grande chatice.

Deixar uma resposta