[:en]I write songs for fun. I don’t claim to be particularly good at it but I also don’t plan on making a career out of it, so I doubt it matters.

For years, before there were blogs and facebook, whenever I felt the need to express something that was haunting me, I’d write a song. It was so much fun that I just kept doing it. It surprised me so much to be able to keep coming up with melodies that I actually liked and that I spent days humming to myself, until it became a normal thing to do.

This page is to explain how and why I make my music, for anyone who might care.

I start with words, usually just a couple of lines, and then sing the words in all sorts of different ways until a melody or rhythm that seems to make sense comes to me. This happens in the shower a lot (must be because there’s nothing else to think about and no distractions – I’ve had to jump out mid-shower to go record stuff lots of times). I then sit at the piano, do the actual hard work of figuring out chords and how to play the damn thing, record it and then I pick up the lyrics again and rewrite them, sometimes dozens of times, until they make sense to me. Doesn’t always work and there are lyrics I go back to again and again over the years. Others fit perfectly right away, usually because there’s something very specific I want to say.

The recording process can be easy or painful depending on how well I’ve learned to play the song before I record it and also how complex it is to play. I know enough about playing the piano to know I’ll never be really good at it. I only started playing in my twenties and even enrolled in a serious music school but learning an instrument requires complete devotion and a lot more time and energy than I was willing to give. I studied for a few years and I even managed to learn some fairly challenging pieces (for me anyway) but I could never perform them with much confidence or expression. So I decided I was happy enough knowing how to play a few chords and other simple stuff and got on with my songs. Sometimes I feel the song requires something a little harder and I torture myself until I can figure out what it is. Other times I know it doesn’t feel exactly right but I can’t figure out how to fix it no matter how long I work on it and I have to accept that or hope someone more talented than me likes my song and decides to do a version someday. When it comes down to recording, thankfully there’s amazing software these days that allows you to fix all your mistakes if you don’t get it right even after 50 takes so I get away with a lot 🙂

When the piano is done I record the voice. Sometimes it’s another 50 takes and it’s never good enough but if it doesn’t make me climb the walls when I hear it, I leave it. Lately I’ve been transposing a lot of the songs to a more comfortable key that suits my low voice.

—————————

Walking Forever

I wrote this song in college. It’s about dreams, trying to capture that moment when you wake up in the morning and still remember the dreams you had and the logic behind them before it all becomes complete nonsense. I was reading Lewis Carroll and Anne Rice and the song ended up a cross between Alice and Mekare with some dolphins thrown in.

Listen | Lyrics

—————————

1842

This is one of those songs that has been reworked a million times. The music has always been the same with just a few key changes and some extra detail thrown in, but the lyrics kept changing. It’s a ghost story about a boy who drowned in the lake and has only been able to communicate with one woman, Claire, in her dreams. She helps him get revenge on the people who killed him but when she leaves (or dies, not quite sure but he’s been around for over a century) he’s alone again but won’t stop being angry and so he can’t move on. I started writing the story behind it but never finished it.

Listen | Lyrics

—————————

Playground rules

This one is pretty self-explanatory, I feel. It’s about being bullied at school by older kids. I had a tough time during my first year in high-school with some older girls who felt the need to make themselves feel so big and strong by picking on younger kids. I got in a couple of fights because I’d get really pissed off and refused to just take it, and to this day fail to see the difference between a high school playground and a prison yard, quite honestly.

Listen | Lyrics

—————————

Dreams

The song is called dreams but it’s actually about getting out of an abusive relationship and how violence will haunt you long after you’re supposed to be ‘safe’. The image of Jack Nicholson in Shinning kept popping up in my head as I was writing it so that may have something to do with the theme.

Listen | Lyrics

—————————

Lust

Listen | Lyrics

—————————

Rainy Days

I was walking to my boyfriend’s home and it started to rain. By the time I got there I had all the verses – music and lyrics.

Listen | Lyrics

—————————

None of these things

I think of this song as ‘nasty playful’. I like the intro  and I love singing it because of the rhythm of the words. My favorite line is ‘I’ll always be there for you, even if you don’t want me to’. I think it sums up the mood of the song nicely.

Lyrics

—————————

Drama Queen

This song is about perception – how other people see you and how you see yourself, how people expect all sorts of things you can’t give and how honesty is not always rewarded or even accepted. I’ve always felt a lot of problems could be avoided in a relationship if people would just say what they think. Musically, I was really pleased when I came up with the piano for the verses. It’s repetitive but it’s fun to play.

Lyrics

—————————

Song for a Friend

The lyrics were written by my husband in 1995. I like them too much to let the song go so I made some music for it. The line ‘I’d hate to find you in a bar’ always makes me laugh out loud.

Lyrics

—————————

Have a Nice Day

I just wanted to write a fun song. For many years my husband and I joke about how we must have somehow pissed off the god of small annoyances and the song is about that – all the little things that can ruin your day or a nice quiet moment and how you keep struggling to not let it get you down.

Lyrics

—————————

Your Face

One of my first attempts at writing lyrics. It’s little more than a simple rhyming exercise.

Lyrics

—————————

Paper bag

I’m amazed at the amount of couples I’ve met over the years who seem to almost hate each other and then one day decide to get married like that’s going to magically solve all their problems. Since no woman ever wants to hear the words ‘don’t marry that guy, he’s an idiot’ you have to swallow your words, plaster a smile on your face and hope for the best. I’ve decided to pour my useless advice into song rather than make enemies.

Lyrics

—————————

Lullaby

I wrote this song in 2007, when my son was born. I was trying to get him to sleep one day and got fed up of the usual lullabies that didn’t really work anyway so I made up my own. It still didn’t work but I liked the song and it’s been stuck in my head ever since. It makes me think a little bit of  “Swing Low, Sweet Chariot” but that may be just me. It sounds really simple but when I wanted to record it I found out it actually has a few surprises like switching from 3/4 to 4/4 at inconvenient times 🙂

Listen | Lyrics

—————————

Singing

If you look at the lyrics it’s pretty obvious the song is about the end of a relationship. There’s been nothing but fighting for a while and all that’s left is finding the courage to leave. I never felt that it was a sad song because sometimes people get stuck in this pattern that’s not good for them but feels familiar so it’s hard to break from it. But getting out, though it may be hard on some level, can also be a relief and make you feel lighter despite the pain and fear of the unknown.

Listen | Lyrics

—————————

Too Late

When I wrote this song I had Brian Molko’s voice in my head and so, to me, this was written from the point of view of a man watching and talking about a woman who maybe couldn’t speak for herself or face the way she was feeling and looking at life anymore. But since I don’t play guitar and had to sing the song myself, by the time we got to mixing, my husband had a completely different approach and gave it more of a Portishead feel. It’s a very different result from what I had originally imagined but I like it a lot.

Listen | Lyrics[:pt]Escrevo música por diversão. Nunca pretendi ser particularmente boa nisso mas também nunca quis ter uma carreira musical, por isso duvido que interesse.

Durante anos, antes de haver blogs e Facebook, quando necessitava de expressar qualquer coisa que me perturbava, escrevia uma música. Era tão divertido que continuei a fazê-lo. Surpreendeu-me imenso conseguir inventar novas melodias de que eu até gostava e que passava os dias a cantar para mim mesma, até se tornar algo normal para mim.

Esta página serve para explicar como e porque faço música, para quem se interessar.

Começo com as palavras, normalmente só com uma ou duas frases, e depois canto essas frases de uma variedade de maneiras diferentes até uma melodia ou ritmo fazerem sentido para mim. Isto acontece muitas vezes no duche (provavelmente porque não tenho mais nada em que pensar, nem distrações – já tive que saltar para fora da banheira a meio do duche para ir gravar coisas antes de me esquecer). Depois sento-me ao piano e faço o trabalho mais complicado que é descobrir quais os acordes que encaixam e como tocar a coisa. Depois gravo e faço revisão das letras que por vezes são reescritas dúzias de vezes até fazerem sentido para mim. Outras encaixam logo à primeira, normalmente porque há algo muito específico que queria dizer.

O processo de gravação pode ser fácil ou doloroso, dependendo do tempo que passei a praticar a música antes de gravar, e também da complexidade da música. Sei o suficiente sobre tocar piano para saber que nunca serei muito boa a fazê-lo. Só comecei a tocar já depois dos 20 anos e até cheguei a inscrever-me numa escola de música a sério, mas aprender um instrumento requer devoção total e muito mais tempo e energia do que alguma vez estive disposta a dedicar-lhe. Estudei durante alguns anos e até consegui aprender algumas peças relativamente difíceis (para mim, pelo menos) mas nunca consegui tocá-las com muita confiança ou expressão. Decidi que estava feliz o suficiente por saber tocar uns acordes e outras coisas mais simples e continuei com as minhas musiquinhas.

Às vezes sinto que a música precisa de algo mais complicado e torturo-me a tentar decifrar o que isso será. Outras vezes sinto que não está bem mas não consigo perceber porquê, independentemente do tempo que passa a trabalhar na música e tenho de o aceitar ou esperar que alguém mais talentoso que eu algum diz goste da música e faça uma versão.
No que diz respeito à gravação, felizmente há software fantástico hoje em dia que ajuda a corrigir os nossos erros todos se não conseguirmos acertar com aquilo mesmo ao fim de 50 takes 🙂
Quando o piano está gravado, gravo a voz. Às vezes são mais 50 takes e nunca fica bem o suficiente mas se não me faz trepar as paredes cada vez que oiço a música, deixo estar. Tenho uma voz muito grave para mulher por isso ultimamente tenho andado a transpor muitas das minhas músicas para um tom mais grave,mais confortável para mim.

—————————

Walking Forever

Escrevi esta música na faculdade. É sobre sonhos, tentar capturar aquele momento em que acordamos de manhã e ainda nos lembramos do que sonhámos e a lógica por detrás do sonho. Andava a ler Lewis Carroll e Anne Rice e a música acabou por ser um cruzamento entre a Alice a a Mekare com golfinhos lá no meio.

Ouvir | Letra

—————————

1842

Esta é uma daquelas músicas que já teve imensas versões. A música sempre foi a mesma com apenas algumas alterações de tom e detalhes extra, mas a letra passava a vida a mudar. É uma história de fantasmas sobre um rapaz que se afogou num lago e só consegue comunicar com uma mulher chamada Claire, através dos sonhos dela. Ela ajuda-o a vingar-se de quem o matou mas quando se vai embora (ou morre, não sei muito bem porque o fantasma tem mais de um século) ele fica sozinho novamente e não consegue deixar de se sentir zangado e por isso continua preso ao passado. Comecei a escrever a história por detrás desta música mas nunca a terminei.

Ouvir | Letra

—————————

Playground rules

Esta é fácil de compreender, acho eu. É sobre ser maltratado na escola pelos colegas. Passei um mau bocado no primeiro ano do ensino secundário graças a umas meninas mais crescidas que sentiam a necessidade de mostrar que eram grandes e fortes batendo e maltratando os mais novos. Isto foi muito antes de se falar de bullying no nosso país. Meti-me numas quantas lutas porque ficava furiosa e recusava-me a aceitar aquele comportamento sem me defender. Até hoje continuo a achar que é pouca a diferença entre um recreio de escola e pátio de uma prisão. Menos escovas de dentes afiadas, talvez.

Ouvir | Letra

—————————

Dreams

A música chama-se “sonhos” mas na verdade é sobre sair de uma relação violenta e como essa violência deixa marcas e nos persegue durante muito tempo após a altura em que é suposto já nos sentirmos seguros. A imagem do Jack Nicholson no Shinning estava constantemente a vir à memória quando estava a escrever a música por isso deve ter influenciado o tema ligeiramente.

Ouvir | Letra

—————————

Lust

Ouvir | Letra

—————————

Rainy Days

Ia pela rua fora, para casa do meu namorado, quando começou a chover. Quando cheguei tinha os primeiros dois versos – música e letra.

Ouvir | Letra

—————————

None of these things

Defino esta música como “mázinha brincalhona”. Gosto da introdução e adoro cantá-la por causa do ritmo das palavras. A minha frase preferida é ‘I’ll always be there for you, even if you don’t want me to’. Acho que resume o tom da música perfeitamente.

Letra

—————————

Drama Queen

Esta música é sobre percepção – como as outras pessoas nos vêem e como nos vemos a nós mesmos, como as pessoas esperam imensas coisas que não podemos dar e como a honestidade nem sempre é recompensada ou até apreciada. Sempre senti que se podiam evitar imensos problemas nas relações se as pessoas se limitassem a dizer o que pensam. Musicalmente, fiquei muito feliz quando escrevi o piano dos versos. É repetitivo mas muito divertido de tocar.

Letra

—————————

Song for a Friend

A letra foi escrita pelo meu marido em 1995. Gostei tanto dela que criei uma música para a acompanhar. A frase ‘I’d hate to find you in a bar’ faz-me sempre rir.

Letra

—————————

Have a Nice Day

Só queria escrever uma música palerma e divertida. Há muitos anos que eu e o meu marido brincamos sobre termos de alguma forma chateado o deus das pequenas irritações e a música é sobre isso – todas aquelas pequenas coisas que nos podem estragar o dia ou um bom momento e sobre lutar constantemente para não deixar que essas coisas nos deitem abaixo.

Letra

—————————

Your Face

Uma das minhas primeiras tentativas de escrever uma letra de música. É pouco mais do que um exercício de rima.

Letra

—————————

Paper bag

Fico espantada com a quantidade de casais que conheci ao longo dos anos que quase se odeiam e de repente decidem casar-se como se isso fosse magicamente resolver todos os problemas. Uma vez que mulher nenhuma gosta de ouvir as palavras “não te cases com aquele gajo, é um idiota”, somos forçados a engolir as palavras, forçar um sorriso e esperar pelo melhor. Decidi então deitar os meus conselhos não solicitados nesta música em vez de fazer inimigos.

Letra

—————————

Lullaby

Escrevi esta música em 2007, quando o meu filho nasceu. um dia estava a tentar adormecê-lo e fartei-me das músiquinhas do costume que não funcionavam de qualquer forma, por isso inventei uma nova. Também não funcionou mas eu gosto da música e ficou-me na cabeça desde então. Faz-me lembrar um bocado o “Swing Low, Sweet Chariot” mas se calhar sou só eu. Parece muito simples mas quando a fui gravar descobri que tinha algumas surpresas como saltar de 3/4 to 4/4 em alturas inconvenientes 🙂

Ouvir | Letra

—————————

Singing

Se olharmos para a letra é óbvio que a música é sobre o fim de uma relação em que não há mais nada a não ser discussões há muito tempo e tudo o que falta é arranjar a coragem para sair. Nunca achei que fosse uma música triste porque às vezes as pessoas ficam presas num padrão que é familiar mas não lhes faz bem e por isso é difícil decidir que já chega. Mas conseguir terminar a relação, por mais difícil que seja, também pode ser um alívio e fazer-nos sentir mais leves, apesar da dor e do medo do desconhecido.

Ouvir | Letra

—————————

Too Late

Quando escrevi esta música tinha a voz do Brian Molko na cabeça por isso, para mim, foi escrita do ponto de vista de um homem que está a observar e a falar sobre uma mulher que se calhar não consegue falar por si própria ou enfrentar a forma como se sente ou vê a vida. Mas como não toco guitarra e tive que cantar a música eu mesma, quando chegou à parte da mistura, o meu marido tinha uma visão completamente diferente da coisa e deu-lhe um ambiente muito mais Portishead. É um resultado muito diferente do que tinha imaginado inicialmente mas gosto bastante.

Ouvir | Letra[:]

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.