Odeio conduzir

Tinha prometido a mim mesma que nunca mais pegava no carro mas a semana passada teve que ser. Tudo porque foi preciso levar o Mercedes à inspecção e achei que era demasiado egoísta da minha parte deixar o Pedro voltar a pé só para me poupar 15 minutos de stress.

A viagem até ao stand correu bem e graças ao mês de Agosto não estava quase ninguém na rotunda que costuma ser uma confusão às oito da manhã, a parte do percurso que mais me preocupava. A única situação mais stressante ocorreu no dia seguinte, quando fomos buscar o carro. Aquilo que me irrita é que eu já tenho inseguranças suficientes nestas situações e há sempre um bronco qualquer que resolve fazer asneira mesmo à minha frente. Da última vez foi um espertalhão com um death wish que atravessou a rotunda a abrir, desta vez foi na rotunda seguinte – diga-se de passagem que aquilo que este país tem mais são rotundas e que há sempre alguém à espera de entrar numa delas para fazer uma estupidez qualquer.

Portanto, uma criatura com um QI que nem deve chegar ao duplo dígito atravessou-se à minha frente, na faixa de fora. Seria uma coisa normal se o objectivo dele fosse sair da rotunda. Mas não. Quando digo que se atravessou à minha frente estou a ser literal, noventa graus em relação à direcção da faixa. Tudo porque resolveu que ali era um bom sítio para subir o passeio e estacionar o carro. Então subiu o passeio com as rodas da frente, parou e ficou a olhar para trás em vez de completar a manobra antes de levar com um carro em cima. Obrigou-me a travar a fundo para não lhe bater. Fiquei a olhar para o gajo a pensar o que raio é que ele está a fazer e acho que fiquei num choque tal que nem me lembro se ele acabou de subir o passeio ou se lhe dei a volta para continuar. Nem me ocorreu buzinar tal a incredulidade.

Como é possível que haja tanta gente por aí a fazer todas as asneiras possíveis ao volante sem lhes acontecer nada? Pela lei natural deveriam morrer antes de terem tempo de se reproduzir, mas receio que isso não aconteça.

Eu sei que isto não é nada de especial e que toda a gente que conduz tem milhares de encontros deste tipo ou pior diariamente. Só que eu sou muito cumpridora e tenho noção de que um carro pode matar alguém e não tenho muita vontade de ser responsável por esse destino. Acho que não fui mesmo feita para isto e vou limitar a condução a situações de emergência. Afinal andar a pé faz bem à saúde.

Suponho que o estranho é continuar a espantar-me com a estupidez e a incrível lata de grande parte da população.

25 Comment

  1. Como tu disseste, quem anda na estrada têm inúmeros encontros com acefalos motorizados. Quantas vezes já me aconteceu ficar incrédula com os malabarismos dos pseudo-Fittipaldis.
    Apesar disso, penso que seja importante continuares a conduzir de vez em quando, para ganhares mais prática e confiança e para que cada viagem não seja uma angustia.

  2. … e não há MESMO limites para a estupidez humana. Como vês, basta sair de casa!

  3. Olha eu sempre tive muito medo de conduzir, assim como tu, nem sei como fui capaz de tirar a
    carta de condução, e passei anos sem conduzir, agora que vou morar para o ” Cu de Judas “, tive de me fazer à estrada. Fui tirar umas lições, e ando a dar umas voltinhas, ando sempre devagarinho, e quem quiser passe por cima, mas antes isso do que matar alguém, não me vou pôr para aqui a dizer que devias fazer isto ou aquilo, eu sei o que é ter muito medo de ter um carro nas mãos, mas acho que estás a ter a atitude correcta, se for preciso também te desenrascas, e o pior mesmo é que há mais ” azelhas ” do que nós por aí a circular todos os dias!

  4. Estupidez e falta de educação, infelizmente pessoas educadas neste país contam-se pelos dedos. Também não gosto muito de conduzir, mas optar por ir de transportes públicos e aguentar cheiro a sovaco e mau hálito, prefiro conduzir e confrontar-me com os anormais que andam na estrada.

  5. Tenho 23 anos e tenho a carta há pouco mais de um ano… mas so csgui comprar carro em outubro de 2006.Adoro conduzir, mas a verdade é que tenho bue medo. nunca tive nenhum acidente.. j dei uma pancadita n 2 circular mas n foi nda d grave!!! oh seja, aparentemente não existe nenhuma razão para ter medo.. mas a verdade é que tds os dias arranjo desculpas para mim mesma p não pegar no carro, do tipo… Hj dormi mal, ou.. tou mto cansada… tenho fome e n m csgo concentrar c estomago vazio. se alguem m pudr dar conselhos ou sugestões agradeço.
    obrigada!!!

  6. Tenho a carta á 10 anos mas nunca conduzi agoras tirei 3 liçoes e morro de medo pois fico com o pé preso na enbareagem não sei como poderei ultrapassar isto. tenho pavor de fazer o ponto de enbareagem. hoje dormi mal… subiume a pressão arterial para 16. Será que á alguém com o mesmo problema… preciso de sugestõs. Obrigada

  7. Olá!
    A minha situação é um pouco diferente. Eu demorei algum tempo a tirar a carta por falta de confiança e sou muito nervosa. Os instrutores também foram péssimos. Hoje tenho a carta há um ano e tenho carro. Contudo, perdi o gosto por conduzir, passando a ter medo e angústia. Sobretudo quando conduzo sozinha. é uma sensação horrível, parece que já não sei conduzir e que estou a fazer asneiras e a atrapalhar o transito todo. As vezes canso-me e apetece-me fazer-me à estrada sem receio mas custa muito.

  8. Olá…
    Eu tenho carta há pouco tempo…
    Adiei anos este dia de a ir tirar por medo e falta de confiança em mim mesma…
    Não tenho tanto medo como tinha antes, mas não há qualquer vontade em pegar no carro… O ponto de embraiagem faz com que o stress aumente…
    Sempre que vejo uma subida e tenho de parar penso “já vai abaixo”… E quando vai, os nervos aumentam e aumentam…
    Tenho pegado no carro um bocadinho por dia, mas este receio não passa…

  9. oi! Pois eu tb tenho carta há quase 1 ano e pouco pego no carro!! As vezes o receio é tal que peço boleia aos meus pais… O_O eu tenho noção das minhas capacidades e que se vê tanto azelha na estrada que nem se sabe pq razão lhe deram a carta. mas uma coisa é certa: NOS SOMOS CAPAZES!! Como qq outra pessoa ou melhor!! Hoje em dia já nao há respeito, qto mais civilização nas estradas… mas nos vamos na nossa mao e se tao mal que se mudem! Prometi a mim msm que ia pegar no carro um pouco cada dia, numa estrada com rotudas (que nao é o que falta) e com pouco movimento, até ganhar coragem e me meter na grande Lisboa! Por isso força malta!!! bjs

  10. um post colocado em 2006, que vai sempre tendo alguma resposta. Tenho 39 anos e fiquei com medo de carros desde que aos 19 anos andei no carro com uma pessoa com muita confiança e pouca agilidade, que provocou um atroplamento entre outras coisas. Mas um carro faz falta, e o meu filho estava sempre a perguntar porque eu não conduzia, então faz agora um ano decidi e inscrevi-me. Em março-2007 estava na posse da carta e dum carro. Só eu ( e pelos vistos mais algumas pessoas) sei o que tenho passado. O medo de ser azelha, o querer fazer melhor todos os dias, o tentar superar a ansiedade… Mas cada dia é um passo, um esforço cada dia, se o esforço for muito não faço. Uma coisa sei, ainda estou obesecada pela condução ao ponto de assim que acordo começar a pensar nisso, isto se for fazer algo que não é rotina, mas cada dia está melhor. Eu sei que daqui a 5 anos a rotina vai transformar a condução em algo tão descomplicado como andar a pé, mas até lá vai depender muito de mim e de me sentir acompanhada nesta situação.
    Para todos os que escreveram neste post, animo e perseverança, a prática faz a perfeição.
    Boas viagens!

  11. O problema é k não tenho para onde ir com o carro.. N costumo sair de casa.. Será que pegando no carro todos os dias o medo vai passando? Já alguém conseguiu superar o medo e ansiedade deste forma? O meu maisor medo na estrada é nao conseguir reagir a certas situações k aparecem inesperadamente e bater….

  12. Bem meninas 😉 tirei a carta há dias e digo-vos que gosto de conduzir, ouvir a minha música e deslocar-me para onde quero confortavelmente. Também tinha algum receio como vocês mas pensar no que disse acima ajudou-me. Pensem que se trata, de algum modo, da vossa independência. Se vos faz confusão mexer na caixa de velocidades optem por um carro de caixa automática e assim ficam com mais liberdade para observarem o que vos rodeia. Acho que devem andar sozinhas porque assim aprendem a tomar conta da situação toda e não ficarem a espera da informação dos passageiros, até porque há muitos penduras que só chateiam e enervam. Boas conduções.

  13. eu tb tirei a carta e nem faço muita asneira o marido diz para eu pegar no carro com companhia mesmo sem carta vou para todo o lado e sozinha não consigo fico anciosa um aperto no estomago….isto tudo pork me rebentou um pneu em andamento a partir dai não consigo andar sozinha pork penso se me acontecer algo não estou só alguem tem alguma ideia para superar isto???

  14. Tenho carta há 5 anos mas, contam-se pelos dedos da mão as vezes que conduzi. Tenho medo, fico ansiosa, nervosa, tremo por todos os lados. Por este motivo, sou gozada pelos meus colegas de trabalho, o que me deixa ainda mais desanimada. Será que alguma vez vou conseguir ultrapassar esta insegurança?

  15. Olá,
    ao ler o teu texto parece que me vejo a mim própria… Tirei a carta à um ano atrás e também se contam pelos dedos as vezes que peguei no carro. Também já me aconteceu isso numa rotunda mas tratou-se de um camião das obras que entrou pela rotunda dentro quando eu estava lá e hoje apanhei mais uma razão para continuar insegura que é quando alguém grita ao nosso lado porque o carro vai abaixo. Não quero ser uma pessoa com medo de conduzir mas não consigo deixar de o ser, não sinto a liberdade que os outros sentem quando conduzem não sinto o bichinho da condução porque quando o sinto alguma coisa acontece. Espero um dia conseguir e que todas vocês também.

  16. ola!!!!
    É bom saber q n sou só eu q tem medo de se aventurar à estrada. Eu n tenho carro próprio, costumo andar c o carro do namorado e toda a gente me critica por ter medo de pegar no carro e ir a qualquer lado, mas acho perfeitamente normal pk so tenho a carta desde Abril. Acho que vou ganhar mais confiança quando tiver o meu carro.

  17. Olá! É muito bom saber que há casos semelhantes aos meus apesar…Eu reprovei duas vezes nos exames de condução, acabei por ficar desmotivada…Uma das possíveis causas terá sido o trajecto que fiz durante as aulas de condução (30 aulas) foram 30 aulas sempre a fazer o mesmo trajecto, sem grau de dificuldade mais elevado, em zonas sem grande movimento, em que as manobras estavam mentalmente assimiladas, o que me levou a pensar que eu estaria preparada para o exame..No dia anterior ao exame, isso sim…Fui 4 horas seguidas para uma zona com bastante trãnsito. Supostamente, haveria de me deparar com as dificuldades ao longo das 30 aulas e não no dia ANTERIOR…Fui muito mais nervosa claro! Hoje em dia tenho que apanhar 4 autocarros para ir trabalhar (ida e volta) mas estou feliz assim…Tranquila, leio, ouço música, vejo a paisagem!! E ao fim de semana tenho o Metro! Já agora…STCP pfv menos greeeves…

    Gostava de poder acordar um dia e ter vontade novamente de tirar a carta…Admiro quem tem dificuldades e consegue mesmo assim ir em frente!!

  18. Este comment ja tem 3anos é verdade mas é mais do actual ms revi me nele e por isso dicidi comentar. Adivinhem qual o meu problema? ODEIO CONDUZIR! ms odeio mesmo. Saber q tenho de pegar no carro é um pesadelo para mim. Dores de barriga… maos a tremer… e muito mau humor. Tenho carta à quase 4anos, tenho carro proprio desde este verao e mesmo assim n consigo ganhar-lhe o gosto. Nao posso dizer q conduzo mal, ms estacionar é pavoroso para mim assim como conduzir o meu carro q sendo a gasolina, e estando eu habituada a diesel, vai varias vezes a baixo. E normalmente isto acontece em sitios “parvos” e nao apenas em subidas… e as x vai duas e tres vezes seguidas a baixo. Sinto me enervada e ridicula ms sei q a mh independencia tb depende de continuar a tentar, ms vontade de o fazer falta-me e muita. Th d dar os parabens a quem se sente algo cm eu e mesmo assim continua a tentar e n cruza os braços. Um dia espero que se deixem de contar pelos dedos as x que sai com o carro… e q os meus “amigos” deixem de gozar cmg. Porque cada um é como é e nao temos de nascer todos para o mesmo. Boas viagens para todos 😉

  19. Olá!
    Depois de ler atentamente resolvi comentar porque de facto identifiquei-me muito com a situação. Tirei a carta há 11 anos; chumbei no 1º exame de condução o que me afectou a auto-estima (estava habituada a ter sucesso em quase tudo o que fazia); já com a carta ainda conduzi algumas vezes sempre com muito medo e pouca confiança; acabei por desistir e fui sempre procurando desculpas e alternativas. Este ano decidi que era hora de tentar de novo; há pouco mais de 1 mês comprei carro e fui fazer umas aulas de condução (o que ajudou bastante). Já consigo conduzir sozinha, sempre com muito medo (acho que o pior é a angustia que sinto nas horas que antecedem a viagem..chego a não conseguir dormir e a ter episodios de taquicardia). Ainda só faço trajectos curtos (casa-trabalho), evito horas de muito trafego (há 2 dias fui capaz de conduzir à hora de almoço o que para mim foi uma grande vitória) e ainda não tive coragem de ir para a auto-estrada; basicamente estou a obrigar-me a todo este processo porque me sentia muito limitada..até já tinha vergonha de dizer que tinha carta mas não conduzia (todos me olhavam como se fosse um ET) ..e tem sido bastante dificil..mas até vejo alguma evolução na minha performance e na minha auto confiança (apesar de lenta).
    Gostava que conduzir fosse para mim uma coisa tão natural como para a maioria da população…mas não é….mas sei que se quero superar isto vou ter que insistir! Boas conduções para todas..e muita, muita força.

  20. Tenho a carta de condução há dois anos e conduzi pouquíssimas vezes. Para piorar meu problema, tenho por vezes pânico com a ideia de sair de casa. Esforço-me para que o pânico não domine. Tento sempre sair de casa, mesmo que esteja apavorada com a ideia. Pensar em conduzir deixa-me tão ansiosa que há tempos não sei o que é ter uma noite de sono tranquila. Lembro-me de uma vez ter ficado tão tensa após um trajecto um pouco complicado, que ao sair do carro não consegui ficar de pé de tanto que minhas pernas tremiam.
    Além de ansiedade, sinto vergonha por não conduzir mesmo tendo carta. As pessoas que me conhecem e sabem que não conduzo não acreditam que tenho medo e na maioria das vezes fazem comentários que me deitam ainda mais abaixo. Não percebem que o medo é real e que não consigo evitar senti-lo. Agora sinto necessidade de vencer meu medo de conduzir. Ainda não sei como, mas sei que vou conseguir vencer. E ler os comentários de pessoas que passaram pelo mesmo e que conseguiram superar o problema é uma grande força.

  21. Boa Noite!

    Tão bom encontrar um espaço na internet onde se partilham medos e angustias tendo como razão a condução. Tenho carta desde agosto e tambem se contam pelos dedos das mãos as vezes que conduzi… tudo porque tenho medo e cada vez que pego no carro é aqueles tremores, dores de barriga e para acompanhar… histerismo… fico completamente descontrolada porque ja sou nervosa mas fico ainda mais quando pego no carro e ele vai abaixo ou algo do genero. Tirei a carta num carro nao muito novo mas ja com direcção assistida e a gasoleo e que aguentava tudo! Fazia quase tudo bem incluindo estacionamento e inversão… no entanto, chumbei no 1º exame de condução. Mas à segunda consegui… ate hoje n conduzi muito por ter este medo e pelo facto de o carro ser completamente diferente (n sei se é apenas na minha ideia) pois n tem direcção assistida e é a gasolina! Vai abaixo com muita facilidade ( ou sera da minha cabeça…) e estacionar… é quase uma hora de ginasio para os braços! O medo de fazer mal, o medo de fazer esperar os outros, o medo de me chamarem nomes, o medo de fazer mal a alguem tem-me limitado… ja n sei o que fazer e como enfrentar todos estes mistos de sentimentos! A vdd é que me sinto “parva” por nao conduzir porque para mim eu sei conduzir e na verdade nunca houve razao para deixar de o fazer! Estas ferias de natal vou em frente, vou pedir a minha mae para ir comigo conduzir para enfrentar este medo e me ir habituando a este carro que apesar de velhinho acredito que me traga mais independencia… o facto de o meu namorado não ter carro ainda mais vontade me da para ir em frente… tem a carta mas n tem carro, eu tenho carta e tenho o carro da minha mae e tou feita parva parada no tempo! Tenho de ultrupassar isto… n pode ser… faz mta falta um carro… Se tiverem conselhos para me dar, agradeço…

    beijinhos e Feliz Natal!

  22. Olà

    Não sou uma pessoa que exterioriza muito as suas ideias, mas neste momento sinto que vou explodir.
    Tenho um medo enorme de conduzir e Quinta Feira tenho o meu segundo exame de condução…
    Estou contente por ter encontrado um espaço onde vejo que não sou a ùnica a ter este tipo de problemas… 🙂
    Jà me sentia pressionada antes por ainda não ter a carta de condução(tenho 32 anos) e agora ainda mais pois preciso da carta urgente para o trabalho e então agora è que è pior..
    Não durmo, não consigo pensar noutra coisa, e quando tenho aulas de condução não me consigo concentrar e sinto-me estùpida por qualquer pequeno erro que tenha feito..
    Enfim se alguèm me puder dar uma ajudinha…. Estou literalmente em pãnico.

  23. Se viemos todos aqui parar é porque o medo de conduzir nos é comum a todos.
    O meu sonho era conquistar a minha independência tendo carro para poder ir para todo o lado sempre que quisesse. Como passageira sempre fui muita atenta e sempre me senti muito capaz de conduzir.
    Mas tudo mudou, quando comecei a ter aulas de condução. Ia nervosa para todas e tinha sempre medo de fazer porcaria e pareciam-me muitas coisas para fazer ao mesmo tempo.
    Com o tempo fui ganhando confiança, mas conduzir foi coisa que nunca fiz de ânimo leve. Passei a tudo à primeira, o que também me trouxe alguma confiança, como também o facto de ter recebido elogios de pessoas a dizerem que eu nem conduzia muito mal. Mal tive a carta na mão, já tinha carro, porque tinha aproveitado uma oportunidade de compra, pouco depois de ter concluído o código.
    Mesmo antes de feito a condução, de vez enquando pegava no meu carro, e ia treinando, sempre com o meu pai a controlar tudo. Como o carro é a gasolina muitas vezes ia abaixo e eu também ficava muito irritada e nervosa, o que só piorava a situação.
    Depois de ter passado na condução, já tinha mais confiança e lembro-me que a alegria de ter todo esse poder me deu confiança para sair com as amigas conduzindo. Até que uma semana após ter tido carta, deixei escapar o pé da embraiagem durante um estacionamento e o carro me entrou pela montra de uma loja a dentro.
    Foi horrível! Gastei um dinheirão e fiquei todo o tempo em que o carro teve a ser arranjado sem conduzir. Quando voltei a entrar no meu carro, não conseguia estar lá dentro sem me recordar do acidente. Só imaginava o carro a ganhar vida própria e a “fugir” sozinho. E tudo isto como passageira, com o meu pai no volante. Com insistência minha, do meu pai e da minha tia, voltei para o volante. Pois aquele carro era meu e apenas meu e se eu não pegasse nele ia acabar por apodrecer parado à porta de casa.
    Quando recomecei depois do acidente parecia que já não sabia conduzir, tinha duvidas nas reduções, tinha dúvidas em tudo e mais alguma coisa. Perguntava as coisas mil vezes às pessoas que tinham carta, e muitas vezes elas não percebiam as minhas dúvidas e só me baralhavam mais.
    Como passageira comecei a reparar na forma como elas faziam, e todas faziam diferente acreditem, então memorizava aquelas que eu considerava que faziam melhor, e depois experimentava fazer igual para ver se comigo resultava. De inicio só conduzia com pessoas ao meu lado que também tivessem carta e nas quais eu tivesse alguma confiança, e nisto o meu pai deu-me uma grande ajuda. Com o tempo o carro passou a ir menos vezes abaixo, com o tempo deixei de ficar nervosa qnd tinha companhia e os nervos só passaram a fazer parte de mim quando tinha de fazer manobras.
    Actualmente, com o meu pai ao meu lado, já levo o carro para qualquer lado (até já fiz auto-estrada, que é muito mais fácil que andar na selva das rotundas) e nem sequer fico nervosa, excepto em estacionamento.
    Também as primeiras vezes em que tive de pegar no carro sozinha, também fiquei muito nervosa, também tremia, também ficava com cólicas, também inventava desculpas para arranjar boleia ou ir de transportes. Actualmente ainda acontece isto, mas já vou conseguindo pegar no carro sozinha para sítios onde sei que há estacionamento fácil e evitando horas de trânsito, há dias em que já não deixo o carro ir nunca abaixo, e já começo a aceitar fazer manobras mais complicadas com ajuda.
    Como podem verificar não tem sido fácil e tenho feito um enorme esforço, mas com persistência tenho evoluído e acredito que daqui a uns tempos vou encarar tudo isto mais naturalmente.

  24. eu aqui com o meu stress, a procura de pessoas iguais a mim e ca esta… tantas… tirei a carta a 4 anos, tenho um medo incrivel de conduzir, durmo com essa ideia na cabeça, e passo o dia com essa ideia na cabeça; estive 3 anos sem conduzir, ate que foi mesmo necessario e o meu marido comprou um carrito para mim… eu recusava.me a conduzir a carrinha.
    agora tem mesmo que ser e imaginam o stress? tenho que ir do ginasio buscar o bebe, e depois para casa… isto para mim… o medo de deixar o carro ir abaixo… a ansiedade…
    as subidas … evito as mais inclinadas… nao sei usar o travao de mao, e nao sei se quero aprender, acho que me baralha mais….

    ja tenho conduzido mas sempre com o marido ao lado, agora sozinha, ontem ía ficando com os dentes colados com o stress… e so fui ate a 3ª eheheh tudo a passar, tb nao tenho pressa.
    receio de me distrair nas passadeiras, com as motas, nas subidas…. ai ai …

  25. Pedro Montenegro says: Responder

    Caras condutoras,
    Parece que sou o único homem a escrever por aqui umas linhas… Sou formador de condução avançada, defensiva e económica de pesados e ligeiros. Considero que muitas mulheres e homens têm medo de conduzir, por várias razões. Já tive a oportunidade de trabalhar com condutores e condutoras que tinham bastante medo de se fazerem à estrada. Tendo já trabalhado com alguns milhares de condutores e condutores, verifico, quando comparo com os padrões duma condução mais avançada, que falta muita informação à maior parte dos mesmos. Que informação? Primeiro uma boa noção das causas mais frequentes dos sinistros rodoviários. Segundo por serem confundidas as causas com factores potenciadores das mesmas, não impondo a devida e respectiva prioridade. Terceiro pelo simples facto de baseado nas duas premissas anteriores, não termos noção dos principais procedimentos que permitem evitar os sinistros mais frequentes. Então aqui vão as soluções, para diminuirmos o risco e termos menos medo na estrada: A. Elevar o nosso nível de atenção sobre o cenário rodoviário, observando mais cuidadosamente as aproximações a outros utentes, tendo a nossa vista em movimento e observar mais vezes os espelhos retrovisores; B. Praticar verdadeiras distâncias de segurança, ou pelo menos aumentar as que praticamos. Basta consultar um livro de física do 9º ano de escolaridade. Devemos ainda acrescentar uma boa visibilidade (ver melhor e sermos vistos mais cedo); C. Sabermos como proceder face a uma derrapagem, a uma travagem de emergência, assim como a um contorno de obstáculo que nos surge repentinamente. Claro que há muito mais a saber e a praticar, mas julgo poder ser um começo para começar a conduzir com mais confiança. Qualquer dúvida, falem p.f. comigo que terei todo o gosto em ajudar, através deste blog ou pedro.m.montenegro@clix.pt Boas viagens!

Deixe uma resposta