O fim da Nitro

A Nitrodesign, empresa em que trabalhei e fui sócia durante muitos anos, chegou ao fim. Depois de ter passado mais um ano a tomar conta de um bebé, foi-se tornando cada vez mais difícil arranjar tempo para o trabalho que ainda ia fazendo ao ponto de ter a empresa aberta só para pagar impostos. Cheguei então à conclusão que não valia a pena continuar nestes moldes, fazendo mais sentido trabalhar como freelancer e continuar a fazer a bijutaria em nome pessoal do que estar a sustentar uma empresa que dá mais trabalho do que benefício.

Depois de transferir o alojamento dos sites para as mãos dos clientes, porque nunca me passaria pela cabeça prejudicar aqueles se desde há muitos anos se mantiveram connosco, foi altura de oficializar a coisa. Fizemos uma acta que foi preciso ir registar na Conservatória do Registo Comercial onde levámos mais um grande estalo, como não podia deixar de ser: cobram 300 euros para fazer o registo de fecho de uma empresa – acabamos sempre por pagar por algum lado.

Agora espero pela certidão para fechar a conta bancária e ir às finanças fechar actividade de IVA e IRC e pedir a devolução dos PECs dos anos anteriores. À conta deste imposto ladrão e ilegal, já pagámos 11.000 euros em imposto que não deviamos dos quais, com sorte, nos devolvem uns 3.000. O resto é ‘Ah, pois… Paciencia!’.

Há alturas em que compreendo tão bem aqueles malucos americanos que vivem numa herdade no meio de lado nenhum, armados até aos dentes e que se recusam a pagar impostos. Se fosse um sistema  justo e transparente, não me importava nada de pagar porque acho que todos temos de colaborar, mas assim é indecente.

Deixe uma resposta