Blog

Adeus House

O House era um gato preto que apanhei na rua em 2007, quando estava grávida do Tiago.

O gato estava todo aflito no meio da rua, sem conseguir andar, mas não deixava ninguém aproximar. Como havia mais pessoas de volta do gato, fui a casa a correr buscar umas luvas e uma caixa de transporte e consegui capturá-lo e levá-lo à veterinária.

Depois de RX e análises, concluiu-se que tinha cerca de dois anos e tinha apanhado uma pancada ou sofrido uma queda que resultou numa fractura da bacia, mas não havia grande coisa a fazer a não ser deixá-lo imobilizado numa caixa durante umas semanas e dar-lhe medicação para as dores. Assim se fez.

Com o tempo voltou a andar, apesar de ficar sempre um bocado coxo, daí o nome (referencia ao Dr. House interpretado por Hugh Laurie).

Nunca foi gato de colo e não deixava ninguém aproximar, mas também não era agressivo a menos que o tentássemos agarrar. Era sem dúvida um gato traumatizado mas adaptou-se facilmente a viver em casa e era muito meiguinho comigo.

Há uns meses reparei que tinha uma ferida ao lado da boca. Pensei que tivesse sido ele a coçar-se (como não se deixava agarrar sem dentadas, desisti de tentar cortar-lhe as unhas).

Levei-o ao veterinário e tive a má notícia de que aquilo parecia ser um tumor. Combinámos fazer cirurgia mas fui logo avisada que havia pouco que se pudesse fazer.

No dia da cirurgia o Dr. Pedro resolveu fazer umas análises pelo facto do gato já ter 15 anos, para não haver mais surpresas. Concluíu-se que os rins já estavam quase a falhar e por isso a anestesia era muito perigosa. Ou seja, a cirurgia era capaz de o matar mais depressa do que o tumor.

Ficámos então assim. O House continuou a sua vida normal. Sabia que não ia durar muito mas não parecia ter dores, continuava a comer e a procurar companhia, até ao final desta semana.

Ontem à noite pareceu-nos que ele estava a ver mal. Hoje ouvi uma coisa a cair e quando fui ver o que era dei com ele enrolado no fim de uma das colunas de som da sala. Estava com dificuldade em mexer-se e a única coisa que conseguia fazer era dar voltas sobre si mesmo, enrolando-se ainda mais. Lá consegui soltá-lo, levando vários arranhões daquelas unhas afiadas e percebi que ele não estava nada bem. Tinha uma pupila dilatada e outra contraída e não conseguia mexer um lado do corpo. Tinha todos os sinais de um AVC ou algo semelhante.

Levei-o ao hospital veterinário mas não havia nada a fazer. O tumor tinha crescido e estava a afectar o cérebro. Ele só se queixava e não tinha coordenação, não se punha em pé. Enfim. Fiquei com ele até ao fim e vou ter muitas saudades mas pelo menos fico feliz pelo sofrimento ter sido de pouco duração.

Adeus gato lindo. Gostei muito da tua companhia durante todos estes anos.

Veja também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.