Quatro semanas and counting

Este fim de semana mudámos de táctica com o Tiago. Como ele não gosta de dormir no nosso quarto por causa do silencio e do escuro (e nós não conseguimos dormir com luzes acesas e musica a tocar) resolvemos po-lo a dormir no seu próprio quarto. Não fizemos logo isso porque achavamos que ele era muito pequenino, mas acaba por ser a melhor solução. Temos o monitor angelcare que monitoriza os movimentos e apita se ele não se mexer ao fim de 20 segundos e vamos ouvindo no nosso quarto quando ele começa a resmungar. Assim já pode ter uma luz ligada (eu tento que seja só a luz de presença como já fazia na sala, mas nas noites mais dificeis fica mesmo um candeeiro ligado) e posso deixar musica a tocar ou os sons do mobile. Como já me levantava para o alimentar de qualquer forma, não faz diferença, e pelo menos nos intervalos conseguimos mesmo dormir.

É claro que apesar do monitor não estou 100% sossegada pelo facto dele não estar mesmo ali ao meu lado. Uma destas noites disparou um alarme de carro na rua e eu já me estava a preparar para correr para o quarto dele. Outra vez o monitor começou mesmo a apitar e só depois de ter a certeza que ele estava bem é que me lembrei que podia ser por as pilhas estarem a ficar gastas. Mas tudo bem. Antes falsos alarmes.

Entretanto reparei que os comentários deste site passaram a ser uma lista de conselhos e sugestões para bebé. É claro que apesar de serem muito bem intencionados não parece ocorrer à maioria das pessoas que nós já pensámos e já tentámos isso tudo. Já experimentámos o aero-om que não deu em nada, estamos agora a usar outra coisa chamada biogaia que também não está a funcionar, tentamos todas as formas de massagem possíveis e posições para o bebé – barriga apoiada no braço, deitado no peito, massagem seguida de encolher as perninhas, etc. Até já usámos a técnica do microlax quando ele estava com a barriga tão dilatada que não havia mais nada a fazer. Uma pessoa pode ser inexperiente mas com a necessidade aprende-se depressa. Oh well. Daqui a uns meses isto passa. Depois é esperar que lhe comecem a nascer os dentes 🙂

O conselho que toda a gente dá sem ter noção da impossibilidade da coisa é dormir quando ele dorme. É claro que faço isso, quando posso, mas não chega. Ele come a cada 3 horas o que implica uma hora a tratar dele e duas horas de descanso (se ele não tiver cólicas). Durante a noite obviamente que tento dormir mas durante o dia não dá. Há telefones a tocar, fico com fome, tenho de tomar banho pelo menos a cada dois dias se não conseguir diariamente, preciso de lavar a roupa dele porque não tenho muita coisa para o seu tamanho actual e se não ponho loiça a lavar acabam-se os copos rapidamente. O mesmo para a roupa – eu posso andar de pijama mas o Pedro precisa de roupa lavada para ir trabalhar. É claro que tento gerir estas coisas com o mínimo de incómodo, deixo muita coisa para o Pedro fazer e aproveito os fins de semana para o que pode esperar porque tenho ajuda. Mas também tenho visitas mais ou menos constantes – os domingos à tarde em particular são para esquecer. É como tudo. A teoria é uma coisa e a prática é outra.

O ajuste maior que fiz foi deixar de ler antes de dormir à noite. Tenho de aproveitar todos os minutos. Agora leio durante a amamentação. Passo tanto tempo a dar de comer ao Tiago que já vou no terceiro livro. Também dá jeito porque se ele estiver muito nervoso leio em voz alta e ajuda a acalmá-lo. Acho que é preciso criar o hábito de leitura desde cedo por issonão faz mal nenhum começar já a treinar. E assim vai também ouvindo as duas linguas logo desde pequenino.
Ontem saimos os 3 pela primeira vez sem ser para ir a uma consulta. Fomos, como toda a gente, ao centro comercial. Eu sei que é horrível mas pronto. Ele já tem 4 semanas, era domingo de páscoa à hora de almoço e aquilo estava vazio e eu estava a ficar um bocado farta de estar enfiada em casa. Como também precisava de comprar algumas coisas, como mais sotiens de amamentação, arriscámos a ir um bocadinho entre ataques de fome do Tiago. Ele dormiu o tempo todo e eu comprei um sotien, uns sapatos e uns óculos escuros. Depois de 9 meses a usar as mesmas 5 ou 6 peças de roupa estava a precisar de gastar dinheiro. É claro que queria comprar roupa nova mas acabei por desistir da ideia. Por causa da amamentação tenho de usar camisolas com easy-access e não encontrei nada que servisse esse proposito. Havia coisas muito giras mas que ia acabar por não usar. E por outro lado queria comprar peças especificas que tinha visto em revistas de moda como sendo das novas colecções da estação e não encontrei. Para que serve ter lojas das marcas se depois não há o que se procura? É capaz de ser muito cedo mas como agora não vou poder fazer isto muitas vezes torna-se um bocado frustrante.

Por fim, num assunto completamente diferente, saiu esta semana uma referença aos Stuffed Squares no jornal Sol. A jornalista responsável escreveu-me na quarta feira a pedir autorização e eu enviei-lhe fotos e respondi a umas perguntas mas acho que já não deve ter recebido esse mail a tempo porque segundo o meu pai o jornal já estava a imprimir na quinta à tarde e eu só respondi por volta das oito. Mas parece que resolveram avançar com aquilo à mesma. Usaram as fotos do coelho e do pinto porque são os animais da páscoa e pelo menos desta vez vai com a morada do site, ao contrário da referencia no 24 horas – da qual nunca cheguei a obter qualquer espécie de resposta apesar de ter ligado para lá a reclamar.

7 Comment

  1. ohh, desculpa o conselho, sei bem como é, a dizerem-nos o q nós já ponderámos ou já fizemos… ;P

    qt ao angelcare, finalmente alguém que fala nele! para mim foi mm a compra mais importante. foi graças à geringonça que deixei a maria dormir muitas horas seguidas sem a ir espreitar (e a acordar que ela tem o sono leve). é uma maravilha! estou tão viciada na confiança que isso me transmite que qd ela dorme fora de casa me aflijo ;P não te assustes se aquilo apitar, pq cmg já apitou um par de vezes, qd ela era pequenina e se encostou tanto às grades da caminha que saiu do sensor. mas antes por excesso que por defeito, claro…

    e qt à leitura, tb eu deixei de ler antes de dormir, e enquanto amamentava folheava revistas, que a minha cabecinha não estava ainda preparada para livros 🙂

    bjnhos e boas noites ao tiago!

  2. Meu Deus… Prevejo um futuro negro à minha pessoa… Sou a pessoa mais dorminhoca que conheço!! :p!! Tens sido incansável!

    Olha… não sei o que mais dizer! *risos*! É mesmo uma mudança radical de vida ter um filho e tu tens resolvido as coisas da melhor maneira possível!! Beijos!

  3. Bom, vou deixar uma dica!

    Com a Laura eu cortava a parte mais larga do bebégel e tirar o liquido, aqui ficava tipo funil, o que é certo é que quando colocava o tubo na Laura os gases saiam todos e até a barriga diminuía!

    Eu fiz isto TODOS os dias até mais ou menos aos 06 meses que foi quando ela começou a comer sólidos! BOA SORTE!

    Quando aos centros comerciais, infelizmente quando o tempo não esta bom para passear, acabo por ir com ela para um deles (até porque aqueles parques da Chicco são irresistíveis para uma crianças de 21 meses!) Eu tento evitar, mas nem sempre dá! A maternidade muda muiiiiiito uma pessoa!!

  4. Bem Dalila (e Pedro), não vou dar conselhos porque sei bem que cada indivíduo é diferente, independentemente do tamanho e idade 😉
    Nós tivemos muita sorte com o nosso Pedro mas, mesmo assim, creio que em 99.99% dos casos é normal que, nos primeiros tempos (que se podem estender durante vários meses) os pais durmam mesmo muito pouco. A nós bem nos avisaram que praticamente nem tempo para tomar banho teríamos e nós, pais de “primeira-água”, pensamos que era um exagero, que era impossível ser assim, e tal e o camandro… e afinal, foi mesmo assim.
    O único conselho que posso dar (olha, afinal até vou dar um), é que, se ainda não o fizeram, comprem os livros da Tracy Hogg (sim, a Babywhisperer). O raio da gaija percebe mesmo da psicologia dos bebés – em particular dos bebés-problema (aqueles que têm cólicas, que não querem dormir, que dormem a horas que não jeito nenhum aos pais, os que não querem mamar, os que não querem biberão, etc). Os métodos apontados por ela têm resultado espectacularmente bem com o nosso Pedrito. Bem, mas como disse no princípio, cada bebé é diferente, não é?
    De qualquer modo, aconselho vivamente os livros. A Graça já comprou vários. O referente aos “toddlers” tem sido particularmente útil. Porque o nosso Pedrito já é um “toddler” e, caraças!!… eles refinam com a idade. São cada vez mais complicados de “gerir”. Acreditem que as coisas não vão “melhorar”… apenas ficar “diferentes” 😉
    Um beijo e um abraço para “ambos os três” e, vá lá… mandem um mail, um contacto, alguma coisa para nos podermos encontrar e “comparar notas” 😉

  5. Aqui em França o “must” para os pais se livrarem das cólicas do bébé e respectivos incómodos para toda a família é levar o recém-nascido ao osteopata. Segundo as teorias de várias iminências, os bébés vêm a este mundo com um mal-estar difuso devido ao esforço do parto (não percebo porquê, mas também aplicam a mesma teoria às cesarianas…) e precisam de ser “endireitados” para aliviar as cólicas e fazerem melhor a digestão, para além de também ajudar à boa junção dos ossos do crânio. Eu devo confessar que sou céptica em relação a estas coisas, mas várias pessoas que conheço juram que a osteopatia fez maravilhas aos respectivos rebentos que são todos calmos como uns anjos. O meu homem que é junkie da modalidade (demasiados acidentes de moto na “juventude”) vai, concerteza, espetar com o nosso rebento no osteopata assim que o rapaz tiver tamanho para isso.

  6. Que bom que não sou só eu… Também me fartava de ler enquanto dava de mamar ao meu filho. Toda a gente achava muito estranho e convenci-me que a “freak” era eu. Afinal não sou.
    Acho engraçada a tua atitude relativamente aos conselhos, pois foi exactamente a mesma que a minha – agradecia muito, com um grande sorriso, e depois fazia precisamente aquilo que a minha sensibilidade e o meu (pouco) conhecimento relativamente ao meu recém-nescido mandava. E acho que não me saí mal.
    Vais ver que daqui por uma semaninha ou duas, isso já vai tudo na maior.
    Beijinhos para os 3.

  7. Quanto ao BebeGel, foi realmente uma óptima solução. Mas, devo avisar que não se deve abusar desse método (pelo menos não o usar logo como primeira alternativa, aquando das cólicas) porque os bebés se tornam “preguiçosos”. Passam a não fazer força por eles porque já sabem que há um método alternativo. Ou seja, levam mais tempo a aprender a se auto-auxiliarem, quando têm cólicas. Mas que é um excelente método, é… para usar com conta, peso e medida 🙂
    Quanto a quem acha que vai ser difícil ficar acordado/a porque gosta muito de dormir, tenham em conta que os nossos metabolismos se alteram quando nos tornamos pais. Principalmente as mulheres, cujas alterações são provocadas por todo um “rush” de hormonas que surge durante a gestação. A minha mulher, que adora dormir e que precisa (segundo ela) de 10 a 12 horas de sono, quando esteve grávida, passou a dormir, no máximo dos máximos, 8 horas.

Deixar uma resposta