Organizar materiais

Um dos problemas mais comuns do artesanato, quando se trabalha com materiais diversos, é conseguirmos lembrar-nos do que temos. Para evitar comprar a mesma coisa em duplicado ou não usar algo de que até gostamos só porque já não nos lembramos que temos, convém criar um sistema de organização eficiente.

Uma das coisas que eu gosto de fazer, especialmente para materiais de scrapbooking, cartões e outros projectos de papel, é fazer mini-ficheiros para saber sempre quais as cartolinas, cores, texturas, etc que tenho. Este post mostra quais as soluções que encontrei para saber sempre que materiais tenho disponíveis.

atelier22

Comecei com as cartolinas. Era difícil lembrar-me de todos os padrões que tinha disponíveis, por isso recortei um rectangulo de cada uma, fiz um furo na ponta e juntei-os com um alfinete de dama. Criei assim um sampler que está sempre disponível quando quero fazer um cartão ou outro projecto em papel.

Para ser mais fácil encontrar os papéis criei três grupos: cartolina lisa, cartolina com padrões e papel fino, que como não é apropriado para todos os projectos, achei que devia ficar à parte.

atelier21

Seguindo o mesmo método criei outro sampler com pequenas etiquetas onde pintei a cor de cada almofada de carimbo. Tenho assim um catálogo de cores com o aspecto com que elas ficam no papel. Fiz o mesmo para as cores de ecoline, que no frasco são muito mais escuras do que no papel. Para as ecolines também colei uma etiqueta no topo da tampa com a cor e o código porque as guardo numa gaveta onde só vejo os frascos de cima. Ainda falta fazer um para os acrílicos.

Quanto aos marcadores, a copic tem para download uma folha com os códigos das cores e quadradinhos para pintar, portanto usei isso.

atelier19

Numa versão maior, agora em A6, fiz um catálogo para as embossing folders, usando o mesmo método.

atelier20

Por fim fiz um catálogo de cortadores em que tenho uma página com o corte e outra onde colei o desenho cortado. A página com o corte serve para colocar em cima de zonas carimbadas ou padrões de papel para escolher onde quero cortar e ver se cabe na forma. A outra folha é para ver o desenho do recorte com todos os pormenores.

Para os restantes materiais de scrapbooking optei por usar dossiers com bolsas transparentes. Foi assim que arquivei os cortadores, carimbos e formas pré-cortadas.

atelier18

Para o catálogo de washi tape, colei numa folha bocadinhos dos desenhos que tenho.

atelier16

Coloquei os carimbos de silicone em bolsas, acompanhados por folhas com a imagem carimbada, para ser mais fácil identificar qual o carimbo que quero usar.

atelier17

Noutro dossier tenho as formas já recortadas que sobraram de projectos anteriores assim como alguns elementos decorativos como laços e brads.

atelier23

Para a bijutaria e joalharia também arranjei alguns samplers que me facilitam a vida. Por exemplo, fiz diferentes tipos de anzol de brinco em fio de cobre e acrescentei uma etiqueta com a grossura e comprimento do fio necessários para reproduzir aquele elemento. Isso poupa imenso tempo e frustração porque não é necessário estar constantemente a fazer experiências até acertar.

atelier24

Também criei um catálogo de texturas que consigo fazer no laminador, com chapa de cobre e o tecido correspondente que cria aquele efeito. Isto porque por vezes achamos que um determinado tecido vai ficar com um aspecto que depois não corresponde ao resultado. Assim poupa-se tempo e material.

As texturas que são feitas de outra forma estão marcadas atrás para eu saber se foi uma textura martelada ou se corresponde a algum dos rolos do laminador.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.